quarta-feira, 26 de junho de 2013

Vamos...

Olívia de Cássia Correia de Cerqueira

Vamos sonhar um sonho juntos,
Pensar que podemos ser melhores,
Viver um sonho que possa ser vivido...
Quero poder sonhar muitos sonhos ainda,
Poder ser feliz, lutar por um mundo melhor
E viver em paz e harmonia com a natureza..

Percepção ...

Olívia de Cássia Correia de Cerqueira

A gente percebe a grandiosidade
Das coisas simples quando está de bem
Consigo mesmo e com a vida.
A profundidade de um instante,

A doçura de um gesto, 
A delicadeza de uma palavra. 

Beto Baía se reúne com representantes do Movimento “Vem pra Rua União”

Foto: Rita Gomes

Por Ana Paula Pedroza- Secom/UP
O prefeito Beto Baía recebeu, hoje, em seu gabinete a comissão organizadora do protesto que aconteceu ontem (25) em União.

“Em primeiro lugar quero parabenizá-los pelo ato cívico realizado ontem, como eu disse desde o início, sou simpatizante da causa, quando fui estudante lutei pelas Diretas Já! Reconheço o direito da população em reivindicar seus direitos. Estou aberto a ouvir e negociar com a sociedade civil suas reivindicações,” afirmou o prefeito.

O coordenador geral do movimento ‘Vem pra rua União’ José Maria F. da Silva, conhecido como Zema entregou ao prefeito uma pauta de reivindicações onde clama por mais saúde, contratação de médicos, mais educação e melhorias em outras áreas, pois de acordo com Zema tentaram trazer as reivindicações para a realidade palmarina.

Além do Zema estiveram presentes, os membros Dallas Diego e Júlio Pedro, sendo este último representante da Associação Rural Belo Horizonte, que realizou uma pauta de reivindicações a parte, centrando a pauta nas necessidades da zona rural de União.

O secretário de administração, Edemir Moraes, apresentou uma proposta de que fosse criado um fórum permanente de discussão, onde membros da sociedade civil deverão reunir-se periodicamente com o prefeito para discutir os problemas que afetam o município, além de apresentar soluções para os mesmos.

O prefeito leu as pautas e prometeu sentar com os secretários e discutir a pauta com cada um deles e marcou uma próxima reunião com a comissão para o próximo dia 10, onde serão apresentadas as propostas de soluções para os problemas apresentados.

“Vou sentar e discutir com os secretários, além de pedir ajuda aos vereadores, porque já vi na pauta que algumas reivindicações necessitam da aprovação da Câmara de vereadores. Vejo a pauta como totalmente possível de ser atendida,” encerrou o prefeito.

PRESENÇAS

Estiveram presentes à reunião, representando o governo municipal, o prefeito Beto Baía, o secretário de administração, Edemir Moraes, o secretário de comunicação Hermes Marques e o secretário de esportes Kleber Marques.

Representando o movimento ‘Vem pra rua União’ o coordenador Zema, o estudante, Dallas Diego e Júlio Pedro. Além destes, os vereadores, Fabian Holanda, Elvinho e o presidente da Câmara Biu Crente.

O pensamento positivo

Olívia de Cássia - jornalista

A gente passa por diversas experiências na vida. Às vezes elas são reais, sofridas e nos deixam marcas. Em outros momentos fazem parte da nossa imaginação apenas. São pura ilusão de quem constrói castelos de areia, ou como acontece atualmente, apenas de forma virtual.

No meio desse turbilhão, têm pessoas que passam na nossa vida e despertam emoções diferentes, fortes, sentimentos que às vezes a gente já tinha esquecido ou que tinham adormecido lá naquela caixinha de segredos nossos. Tornam-se pessoas especiais em nossos corações.

Essas pessoas, sejam amigos ou alguém especial, despertam emoções que podem acontecer tanto pelo contato físico, pessoal, ou apenas na troca de energia positiva. 

Uma coisa que às vezes a gente nem imagina que pode acontecer: o poder do pensamento positivo nos transforma e isso é inquestionável, eu já tive provas disso.

Pensar com positividade melhora a autoestima, nos impulsiona na vida e desenvolve a nossa capacidade intelectual e produtiva. Isso já aconteceu comigo e me tornou uma pessoa mais forte e melhor.


Devemos procurar conviver e nos acercar dessas pessoas que têm energia boa, que nos proporcionam afeto,  incentivo, nos fortalecem e nos levam a lugares melhores e mais suaves. Tenho aprendido muito com isso. 

terça-feira, 25 de junho de 2013

O que vejo

Olívia de Cássia  - jornalista

Diante da mobilização e das últimas manifestações de rua, iniciadas por conta da tarifa de ônibus, preferi ficar muito mais na observação do comportamento de algumas lideranças e pessoas comuns. Vi muito mais críticas ao governo do que se costuma ver, mesmo em época de eleições.

O governo vai ter que suar a camisa para reverter essa situação se quiser melhorar a sua imagem. O protesto foi visto como um fenômeno, por alguns especialistas,  posto que foi organizado e chamado pelas redes sociais: um fato nunca visto antes na história do país, já que a ferramenta tecnologia é nova por aqui.  

É clara a existência de um forte sentimento de insatisfação da população com os políticos, a polícia, o governo, os partidos e até as instituições constituídas. Ainda é muito cedo para definir esse levante cívico, pelo menos para mim que ainda estou estudando e avaliando o caso, já que não sou especialista no assunto.

Mas já  vejo alguns partidos políticos, em horário eleitoral, querendo tirar proveito disso e descendo a lenha no partido da presidente, o PT, como se também não tivesse culpa no cartório. É muito bom posar de ingênuo e puro e se excluir da culpa diante dos fatos.

Muita gente também está baixando o nível nas redes sociais, com palavras de baixo calão, com propagandas via posts que não têm graça e não enriquecem o debate, pelo contrário. Vi pessoas destilando ódios virulentos, como se política fosse uma coisa pessoal e arrotando arrogância diante de opiniões contrárias às suas.

Tenho observado gente que nunca participou de nada, de nenhuma manifestação cívica na vida agora propalar a saída da presidente Dilma; isso porque essas pessoas não votaram nela também e estão se aproveitando do momento de crise.

Hoje em União dos Palmares teve uma passeata, felizmente foi pacífica, mas logo cedo foi divulgado que iam fazer apedrejamento na sede da prefeitura. Isso os eleitores do candidato perdedor. Isso não é manifestação cívica se viesse a acontecer. As pessoas estão trocando as estações e não entenderam ainda a mensagem das ruas, não sabem o que é reivindicação política.

Esta noite a A PEC 37 foi derrubada depois dos apelos nas redes sociais e nas ruas. O País está vivendo uma crise, não se pode esconder. O governo tenta se ajustar às propostas daqueles que foram às ruas, mas vai ser difícil agradar a todo mundo.

Ainda é tudo muito novo. Tem muita gente se aproveitando desse momento critico, de crise e das manifestações na rua, para mostrar sua indignação diante da derrota eleitoral das últimas eleições.

Outros estão confundindo alhos com bugalhos e despejam toda sua ira nos políticos, no governo, mas alguns não têm ainda a clareza dos protestos. Tenho percebido isso: é como se  uma rolha tivesse sido destampada e o povo está descontando tudo, toda a sua amargura nas instituições também.

Eu avalio o desgaste dos políticos diante da população da seguinte forma: se não repensarem suas práticas não se reelegerão, isso a grande maioria e vão ter que rebolar e gastar muito dinheiro para isso.

Avalia-se que a eleição para deputado federal vá custar cinco milhões. De onde eles vão tirar esse dinheiro¿ O problema nessas horas é a confusão que muita gente faz com tudo, misturam os assuntos  e na hora do voto esquece as críticas e vota no mais ruim.

Pela primeira vez nesta segunda-feira eu vi o povo pobre na rua, que foram os favelados da Rocinha, reivindicando melhorias de infraestrutura em suas ruas, no Rio de Janeiro. Até agora só tinha visto  a classe média , filhos de políticos e de atores da globo e estudantes nessas manifestações.

Toda essa efervescência é um fato novo e avalio que renovará muita coisa na política brasileira, é bom para a democracia, mostra que estão atentos, fazendo o seu papel de cidadãos e colocando para os governantes as falhas que não enxergam de seus gabinetes confortáveis.

Nesta noite o presidente do Senado, Renan Calheiros, muito esperto, propôs a redução dos ministérios do governo, dos cargos comissionados  e a questão do passe livre para os estudantes, que seria concedido com recursos dos royalties do pré-sal.


Essa proposta já tinha sido feita por alguém que não lembro agora quem. Os ânimos estão mais amenos e é preciso muita parcimônia e traquejo político para tratar de situações assim. As reivindicações têm que ser feitas, claramente e dentro dos limites estabelecidos pela Constituição. Não adianta propor o que não vai ser colocado em prática nunca. Boa noite e fiquem com Deus!

É preciso...

Olívia de Cássia Correia de Cerqueira

É preciso uma paz interior
Para a gente se sentir bem.
É preciso harmonia
E paz no coração para fazer o bem.
É preciso a gente se despojar
De todo sentimento negativo
Da ganância do querer sempre mais...

Sem limites, sem princípios, sem leis. 

segunda-feira, 24 de junho de 2013

Motivos...

Olívia de Cássia Coreia de Cerqueira

Motivos eu tenho para não me contaminar
E acreditar em ideias negativas. 
Não te quero mais porque não posso
Alimentar sonhos inúteis.
Quero minha paz de espírito,
Como essa que estou sentindo agora...
Já me curei de todo sofrimento derradeiro...


Esperança

Olívia de Cássia Correia de Cerqueira

Você vem de onde menos se espera,
Preenche os meus dias,
Invade meu coração 
Que já não acreditava
Que houvesse possibilidade de ser.
Eu te quero mais, a cada dia,
Preenchendo minhas horas vazias.
Esperança...

Quero...

Olívia de Cássia Correia de Cerqueira

Não me fales de coisas que não sei escutar.
Não me fale de dores que já conheço o seu caminho.
Quero ouvir falar de essência, profundidade,
Quero ter lembranças felizes,
Por que de dores, já bastam as do mundo.
Quero ouvir e ver o mar, ver o luar, o céu azul.
Quero ver o lírio dos campos com toda a sua pureza.
Quero o infinito, mesmo que não consiga alcançar...

domingo, 23 de junho de 2013

Invenção...

Olívia de Cássia Correia de Cerqueira

Em dias de solidão
Invento dores,
Invento amores,
Para não morrer de tédio,
Em dias de solidão.
Não quero uma existência vazia...
Quero paz, quero o perdão....
Em dias de solidão...

Esclarecimentos....

Olívia de Cássia - Jornalista

A política tem o dom de mexer com as pessoas; é uma paixão que às vezes aliena, tanto à direita quando à esquerda. Sempre acompanhei movimentos, desde a mais tenra idade, na década de 1970 do século passado, com meu pai eu via, lá em União dos Palmares, amigos virarem inimigos e vice versa e ainda hoje é assim.

Certa vez, num comício do PMDB, com José Costa, José Moura Rocha, Francisco Pimentel, Mendonça Neto, Roberto Freire e Afrânio Vergetti, que já naquela época era o candidato-primo político do meu pai, o mais histórico comício daquela terra da liberdade ser interrompido pela banda de fanfarras do Colégio Mario Gomes de Barros.

Era Roberto Freire quem discursava. O mais lindo discurso que eu já tinha visto na minha tenra idade de criança e dava vontade de chorar. E ele disse: "A banda passa e o povo continua aqui a escutar os candidatos da oposição falarem, os candidatos do MDB"; e foi aplaudido por alguns minutos, ao som de gritos e levantar de bandeiras.

Eu não entendia muito bem aquela emoção, mas o País vivia seu período maios torpe de impedimento das liberdades democráticas. Não se podia falar de governo e muito menos ir às ruas. Faço esse introito para esclarecer a todos que acham que eu mudei de lado, que continuo ainda lutando pelos meus ideais, embora que com mais maturidade hoje em dia.

A verdade é que eu nunca deixei que a política fizesse com que eu abandonasse meus amigos do outro lado e que essas questões tomassem conta da minha cabeça, pois entendo a política como um meio de transformação social, não como uma guerra para a gente derrotar os amigos, aliados.

Não nasci para competir e aprendi isso com papai que nunca deveria querer almejar subir na vida querendo passar os outros para trás. Por isso mesmo, nunca me meti a querer passar dos meus limites.

Procuro ver os acontecimentos com moderação, sem radicalismo agora,mas sem abrir mão daquilo que sempre sonhei. O radicalismo da juventude já deixei para trás faz muito tempo e hoje eu vejo tudo com parcimônia, análise de princípios e maturidade.

Eu dizia ontem a uns amigos no forró do sindicato, que não sou contra as manifestações de rua que estão acontecendo, já que sempre estive lá quando fui chamada e nunca deixei de sair em defesa dos meus ideais, mesmo na época da ditadura militar, quando eu ia vender o jornal Tribuna Operária no mercado da produção enfrentando milicos e sem entender nada do que fosse política.

Só para lembrar a quem esqueceu disso: eu não deixei de lutar por uma sociedade mais justa, democrática, de políticas públicas para quem precisa e sem corrupção: só vejo tudo com muito cuidado e maturidade agora. Só isso. Entenderam?

sexta-feira, 21 de junho de 2013

Concursados da PM se reúnem com Ronaldo Medeiros e Dário Cesar

A reunião foi solicitada pelos concursados
Por Olívia de Cássia
Fotos Camila Ferraz

Cerca de 60  concursados da Polícia Militar de Alagoas do ano de 2012 se reuniram na manhã desta sexta-feira, 21, no Plenarinho da Assembleia Legislativa, com o  deputado Ronaldo Medeiros (PT) e o secretário de Defesa Social, Dário Cesar e o presidente da Associação dos Praças e Soldados da Polícia Militar e Corpo de Bombeiros do Estado de Alagoas (Aspra), Wagner Simas.

A reunião foi solicitada pelos concursados, por conta do atraso na convocação, já que no próximo dia 28 de julho completa um ano da abertura do edital e até agora não houve convocação. Diante do impasse, a categoria pediu que o deputado Ronaldo Medeiros (PT) fizesse a ponte com secretário Dário Cesar, para que ele explicasse as razões do atraso.

O secretário falou na carência de pessoal para fazer a segurança no Estado, mas disse que a convocação dos aprovados não depende da SDS. Segundo Dário César, quem autorizou o concurso da Polícia Militar foi a Secretaria de Gestão Pública (Segesp), mas argumentou que a Fundação Cespe, empresa que fez e conduz o concurso, enviou um cronograma com datas prevendo todas as etapas que ainda faltam para concluir o concurso.

A Comissão do Concurso da PM também elaborou uma pauta com nove itens a serem discutidos na reunião como: a cobrança da  divulgação dos resultados; compromisso com as datas; quando realmente acontecerá a convocação dos aprovados, entre outros pontos.

O presidente da Aspra, Wagner Simas, disse que houve um quebra de contato pela Cespe e sugeriu que fosse feito um requerimento à Fundação, pedindo esclarecimento do problema e solicitando agilização dos prazos.

Pelo cronograma enviado, segundo o secretário, no dia 19 de setembro sairá o resultado final, que só pode ser feito pela própria Fundação Cespe. Diante do impasse entre os concursados e o secretário, o deputado Ronaldo Medeiros (PT) se prontificou a solicitar uma audiência com a direção da Fundação, em Brasília, com um dos membros da comissão, para tentar agilizar os prazos.

“Tem dois meses até setembro, que foi prazo final dado pela Fundação. Tem concursado que está sendo prejudicado por conta da questão da idade. O edital do concurso prevê idade de até 30 anos na data da matrícula do curso e muitos já estão sendo prejudicados. Vou cobrar celeridade do processo, agendando essa reunião, em Brasília”, destacou o deputado.

Na reunião, Medeiros também fez um balanço das negociações acontecidas até agora com o secretário de Defesa Social, diante das reivindicações dos concursados e com relação à segurança no Estado, como presidente da Comissão Especial que Acompanha o Plano Brasil Mais Seguro em Alagoas.

Comissão faz mobilização na Praça dos Martírios

O presidente da Comissão dos Concursados, Rodrigo Lima, disse que fará uma reunião com a categoria para analisar o resultado da reunião de hoje e definir quais as estratégias de lutas que vão adotar.
Com o objetivo de buscar alternativas e cobrar celeridade para a convocação dos aprovados no concurso, a comissão faz um ato público no próximo dia 26, às 8h, na Praça dos Martírios, no Centro de Maceió. Segundo os representantes da comissão, serão mais de mil aprovados indo às ruas para lutar por essa causa.

As lideranças do movimento dizem que a grande questão a ser discutida nessa manifestação é o fato de o concurso estar completando um ano de existência, pois o seu edital foi publicado no dia 26 de junho de do ano passado, no site da Fundação Cespe\UNB. No edital consta que são mil vagas com formação de cadastro de reserva para o cargo de soldado combatente e 40 vagas mais formação de cadastro de reserva para o cargo de oficial combatente.



quarta-feira, 19 de junho de 2013

Livro que homenageia artesã palmarina é lançado no Muquém

Por João Paulo Farias 
(Texto e fotos) 

Durante as atividades que lembraram os três anos da enchente do Rio Mundaú, que atingiu a comunidade quilombola Muquém, em União dos Palmares, foi lançado o livro ‘A menina do barro’, que conta a história da artesã Irinéia Nunes.

O livro, que  foi impresso pela Imprensa Oficial Graciliano Ramos, é da autora Gianinna Bernardes, que disse ter se sentido honrada em participar do lançamento naquela comunidade.

“Conheci o trabalho de Irinéia no Rio de Janeiro, quando visitei uma amiga; vi uma peça que me chamou a atenção, foi tocante conhecer um trabalho com tanta expressividade”, disse.

A autora teve a oportunidade de encontrar com a artesã numa feira em Maceió, onde ficou encantada com as obras dela. Na enchente, Bernardes acompanhou pela imprensa a situação do Muquém, e esteve várias vezes com dona Irinéia, que lhe contava como sobreviveu à tragédia.

“Quando a Imprensa Oficial lançou o concurso em 2012, eu não era escritora ainda, e lembrei-me da história de Irinéia, que me marcou. Foi por meio de Irinéia que me tornei escritora. Por isso é uma questão de honra fazer um livro e compartilhar essa história com ela”, concluiu.


O evento foi encerrado com um momento de autógrafos, feitos pela autora e também pela homenageada, dona Irinéia Nunes.

Placa homenageia sobreviventes das enchentes de 2010 no Muquém

Por João Paulo Farias - Texto e Fotos
A tragédia das águas do Rio Mundaú, que fez três anos neste 18 de junho, foi lembrada com uma homenagem aos moradores da Comunidade Quilombola Muquém, em União dos Palmares. Uma placa foi afixada na Jaqueira que salvou mais de 20 pessoas.
Além da Jaqueira, os moradores se abrigaram em cima de uma mangueira e lenhas. Ao todo 55 quilombolas esperaram por mais de 12 horas, as águas baixarem.

O evento foi promovido pelas secretarias de Cultura e Turismo, e reuniu dezenas de quilombolas na comunidade, além de autoridades que destacaram a importância do Muquém como patrimônio mundial. A placa foi desenvolvida pela arquiteta do   Instituto de Patrimônio Histórico e Artístico Nacional (Iphan), Joelma Farias de Cornejo.

A secretária de Cultura, Genisete Sarmento, agradeceu aos quilombolas o apoio em deixar que o dia 18 de junho fosse registrado com a colocação da placa. “O ser humano tem essa possibilidade de, da própria dor, dar a volta por cima e mudar”, ressaltou a secretária.

Ela frisou que quer transformar o local em ponto turístico, já que não tinha nada dizendo que naquela árvore, mais de vinte vidas foram salvas. “Estamos deixando esse registro para quem vir ao Muquém, veja na jaqueira a importância dela naquela noite de terror”, lembra.

Para Jacineide Maia, secretária de Turismo do município, o momento é de grande relevância, pois registra um triste momento que completa três anos. “É muito importante que o Muquém, além de sua cultura, através das mãos dos artesãos, tenha esse monumento como ponto turístico”, disse.

O prefeito Beto Baía (PSD) considerou a jaqueira como a “árvore da vida”, pontuando que o momento não deve ser apagado da memória. “Vocês foram muito penalizados, mas graças a Deus, não perdemos nenhuma vida, só bens materiais. A homenagem é muito oportuna”, disse Beto, anunciando que a comunidade vai receber uma escola em tempo integral, sendo a primeira comunidade quilombola no país, contemplada com o projeto.

A emoção contagiou crianças, adultos e idosos. As lembranças da tenebrosa noite de 18 de junho vinham na mente de todos. A artesã Irinéia Nunes, que reproduziu a jaqueira no seu artesanato com barro, falou do dia 18 de junho: “É com muito orgulho que apresento a vocês o meu trabalho, reconhecido aqui e lá fora; estou muito emocionada em lembrar daquele dia”, disse a artesã.

Dona Maria Benedita, 66, lembra com os olhos lacrimejando de como conseguiu passar mais de 10 horas, pendurada num galho de jaqueira. “Só vi a água batendo e a jaqueira balançava a noite toda e chovia muito; passei a noite com muita câimbra e chorando”, disse. A quilombola perdeu a casa e só ficou com a roupa do corpo, e hoje quer um pouco de saúde para cuidar de sua família.

PRESENÇAS

O evento foi acompanhado por várias autoridades: os secretários municipais de Saúde, Carla Theresa; Infância e Juventude, Sérgio Rogério; Meio Ambiente, Macário Rodrigues; Agricultura, Gustavo Pedroza; e Indústria e Comércio, Rosangela Barros e o presidente da Câmara, vereador Biu Crente. Também acompanhou a cerimônia, os superintendentes de Juventude de Alagoas, Ana Maria e Leonel Teotônio, junto com Denis, representante do Plano Juventude Viva no Estado.



terça-feira, 18 de junho de 2013

O que virá depois?


Olívia de Cássia – jornalista

O País foi pego de surpresa essa semana com a mobilização feita nas redes sociais que arregimentou milhares de pessoas às ruas nas diversas capitais do País. Apesar de já ter visto muitas mobilizações ao longo dos meus anos calejados, confesso que tive um susto quando vi todo aquele povo de volta às ruas protestando, num primeiro instante, contra o aumento das passagens de ônibus.

O fenômeno certamente já deve estar sendo estudado por sociólogos e antropólogos, mas não precisa ir muito longe para a gente saber que toda essa mobilização já é um ‘esquenta’ do que está para vir nas próximas eleições e que o que está em jogo não é apenas o preço das passagens.

Uma pena que uma mobilização que começou de forma pacífica tenha descambado para o vandalismo e a depredação do patrimônio. Não sou contra a mobilização pacífica, às justas reivindicações e os protestos contra a corrupção e a roubalheira, já participei de várias delas,  mas me assustei ao ver uma massa desgovernada, insuflada, quebrando e destruindo o patrimônio público.

Conheço muito bem a massa insuflada o que é capaz de fazer. De repente, nas redes sociais, gente que sempre votou em candidatos conservadores e que sempre defendeu a ditadura militar, estava nas redes chamando para greve e para ir às ruas, como se fosse a mais avançada das criaturas.  

Muito me estranha isso, porque conhecendo a fundo determinadas pessoas, jamais elas teriam coragem, no governo de seus candidatos, de insuflarem alguém para ir às ruas.  Na segunda-feira, os manifestantes apedrejaram o prédio histórico da Assembleia do Rio de Janeiro e queimaram  um carro que estava na frente; na terça-feira, tocaram fogo no carro de transmissão da Rede Record.

Isso atenta contra a democracia. Isso não é manifestação democrática e pacífica. Eu entendo que os partidos políticos e seus comandantes estão desacreditados e muitos emporcalham a política do País. Com essa mobilização, avalio que os partidos políticos saíram enfraquecidos e isso não é muito bom.

As lideranças partidárias precisam saber que o povo está insatisfeito com o desempenho deles e que não é mais massa de manobra, seja da esquerda ou da direita. Na minha humilde avaliação isso tudo é resultado da decepção do povo e do despreparo de uma polícia que é treinada apenas para reprimir, bater e matar,  da falta de traquejo com que o governo de algumas cidades agiu no começo do movimento.

Mas eu torço pelo despertar da juventude brasileira, pela conscientização de seus direitos de cidadãos e se for para salvar nossos jovens da cultura do lek lek, das mulheres melões e melancias e tais e quais e das demais porcarias que eles costumam consumir, que o movimento seja bem-vindo e que um novo horizonte  surja, enriquecendo a história do País.

segunda-feira, 17 de junho de 2013

Evento cria grupo para acompanhamento do Código Florestal

Lançamento do Grupo de Trabalho (GT) de Acompanhamento da Implementação do Código Florestal em Alagoas será dia 19 de junho, no auditório da Assembleia Legislativa 

____________________________

Com a aprovação do Código Florestal pela presidente Dilma Rousseff, a lei deve agora ser implementada e acompanhada pela sociedade. O lançamento do Grupo de Trabalho (GT) de Acompanhamento da Implementação do Código Florestal em Alagoas ocorre no dia 19 de junho (quarta-feira), às 9 horas, no Plenário da Assembleia Legislativa de Alagoas (Pça Pedro II, s/n, Centro - Maceió). Aberto ao público, o evento é uma realização da Frente Parlamentar Ambientalista de Alagoas, da Fundação SOS Mata Atlântica e da Associação Nacional de Órgãos Municipais de Meio Ambiente (ANAMMA).

A iniciativa é parte da Campanha Nacional de Acompanhamento da Implementação do Código Florestal, que visa sensibilizar e mobilizar a sociedade para que esteja atenta ao cumprimento do novo Código Florestal e para que participe do monitoramento de sua implementação, apoiando e estimulando ações ambientais da sociedade civil organizada, de órgãos públicos e da iniciativa privada.

“A exemplo do que fizemos com a Lei da Mata Atlântica, queremos levar essas discussões para os Estados, evitando que as decisões e debates aconteçam apenas em Brasília”, explica Mario Mantovani, diretor de Políticas Públicas da Fundação SOS Mata Atlântica.  “A ideia é estimular a cidadania e o acompanhamento da Lei, em um processo descentralizado e participativo, e também reforçar o papel das Frentes Parlamentares Estaduais. Por isso, vamos incentivar o acompanhamento do Código Florestal nos Estados da Mata Atlântica”, diz ele.

Um dos temas que será abordado no evento é o Cadastro Ambiental Rural (CAR), uma ferramenta para tornar o processo de regularização ambiental dos imóveis rurais mais simples e ágil, e que está previsto como um dos mecanismos do Código Florestal aprovado.

O GT de Acompanhamento da Implementação do Código Florestal integra a Frente Parlamentar Ambientalista de Alagoas. A Frente tem como objetivo assegurar a discussão da agenda ambiental pelo Legislativo, bem como apoiar políticas públicas e ações governamentais e da iniciativa privada que promovam o desenvolvimento sustentável no Estado. As Frentes Parlamentares Estaduais são um desdobramento da Frente Parlamentar Ambientalista nacional, com atuação no Congresso.

- SERVIÇO

O que: Lançamento do Grupo de Trabalho de Acompanhamento da Implementação do Código Florestal da Frente Parlamentar Ambientalista de Alagoas
Quando: 19 de junho, às 9h
Onde: Plenário da Assembleia Legislativa de Alagoas (Pça Pedro II, s/n, Centro - Maceió)
Informações:  Rejane Pieratti - (61) 8138-3000 / rejane.pieratti@gmail.com

CEV é redenominada para Comissão Estadual da Memória e Verdade Jayme Miranda

Comissão agora está vinculada à Secretaria de Estado da Mulher, da Cidadania e dos Direitos Humanos (SEMCDH)

Por Maryana Damasceno

Nesta segunda-feira, 17, através de despacho do Diário Oficial, o governador do Estado, Teotonio Vilela Filho, alterou a lei de número 7.407, de agosto de 2013, que instituiu a Comissão Estadual da Verdade em Alagoas. A Comissão, agora, é nominada de Comissão Estadual da Memória e Verdade Jayme Miranda, levando o nome do jornalista militante do Partido Comunista Brasileiro (PCB) nas décadas de 50 e 60.

O objetivo dessa comissão é acompanhar e subsidiar a Comissão Nacional da Verdade nos exames e esclarecimentos às graves violações de direitos humanos ocorridos no período de 1946 e 1988, incluindo a Ditadura Militar. Assim, irá contribuir para a efetivação do direito à memória e à verdade histórica.

A comissão poderá solicitar informações, dados e documentos de órgãos e entidades do Poder Público, classificados em qualquer grau de sigilo. Poderá atuar articuladamente com órgãos federais, estaduais e municipais e também firmar parcerias com instituições de ensino superior ou organismos internacionais para o desenvolvimento de suas atividades.


De acordo com o Secretário-chefe do Gabinete Civil, Álvaro Machado, agora que a lei já foi sancionada pela Assembleia Legislativa de Alagoas, os trabalhos irão iniciar em breve. “A comissão será composta por sete membros, que serão indicados pela SEMCDH para serem avaliados pelo Governador. Após a aprovação, publicaremos um decreto com os nomes que exercerão um mandato de dois anos na Comissão Jayme Miranda”, concluiu o secretário.

domingo, 16 de junho de 2013

Palmarinos vão lembrar enchente de 2010 com atividades no Muquém

Dona Irinéia é a artesão do barro do Povoado Muquém
Olívia de Cássia-Repórter
(Texto e foto)

Na próxima terça-feira, 18, quando completa três anos das enchentes do Rio Mundaú e Paraíba, a Secretaria de Cultura do município de União dos Palmares lembrará, às 15h,  a enchente ocorrida no município, quando afixará uma placa na mangueira do Povoado Muquém, local onde cerca de 20 pessoas se protegeram das águas do Rio Mundaú, em junho de 2010.

Além da jaqueira, os moradores do povoado lembram que também se protegeram em cima de uma mangueira e de lenhas que estavam apinhadas no local.

Segundo a secretária de Cultura, Genisete Lucena, ao todo foram 55 pessoas que escaparam por pouco, além de uma cadela vira-latas de nome Filó e um frango.

“Haverá na solenidade, além da placa lembrando os moradores do Muquém, o lançamento do livro ‘A menina do barro’, impresso pela Gráfica Oficial Graciliano Ramos, da autora Gianinne Bernardo, que conta a história de dona Irinéia Nunes, a artesã do barro do povoado”, conta Genisete.

Dona Irinéia Nunes foi denominada patrimônio imaterial do Estado e também sobreviveu às águas da enchente. A secretária observa que dentro da programação do evento também vai haver o lançamento de uma pequena reportagem em vídeo sobre o Muquém de antes e agora, depois da reconstrução, contendo depoimentos dos sobreviventes das enchentes e que depois será publicado no site http://www.orelampago.com.


sábado, 15 de junho de 2013

Vejo o mar...

Olívia de Cássia Correia de Cerqueira

Olho o mar...
Lá longe eu vejo o mar.
O barulho das ondas
Quebrando...
Mar azul de águas claras
Que guardam os segredos
Do mundo...
Meus segredos, teus segredos...
O mar...

sexta-feira, 14 de junho de 2013

Sindjornal reúne assessores de imprensa e estudantes no 8º Ejai


O Sindicato dos Jornalistas Profissionais do Estado de Alagoas (Sindjornal), por meio da Comissão Estadual de Jornalistas em Assessoria de Imprensa (Cejai) promove nos dias 21 e 22 deste mês, o 8º Encontro Estadual de Jornalistas em Assessoria de Imprensa (8º Ejai). O evento será realizado no auditório da Casa da Indústria (Farol), e terá como tema “Assessoria de Imprensa e o interesse público do Jornalismo”.
O 8º Ejai se configura como importante instrumento de interação, diálogo e debate de temáticas pertinentes ao contexto atual da comunicação, especificamente no que se refere às assessorias. Poderão participar do 8º Ejai, jornalistas profissionais, professores e estudantes de jornalismo. As inscrições já estão abertas na sede do Sindjornal, na rua Sargento Jaime, 370, Prado. O telefone para informações é o 3326-9168.
A abertura do evento acontece na sexta-feira (21), às 19h, com uma programação científica que inclui como palestrantes nomes de destaque nacional, especialistas em assessoria de comunicação, como Suzel Figueiredo, mestra em ciências da comunicação, que vai falar sobre “Mensuração de Resultados em Assessoria de Imprensa”.
A programação continua no sábado (22), a partir das 8h, tendo como palestrante Jorge Duarte, doutor em Comunicação Social, autor do livro “Comunicação Pública: Estado, Mercado, Sociedade e interesse público”. Também estará presente a vice-presidente da Federação Nacional dos Jornalistas (Fenaj), Maria José Braga, que vai expor sobre a Pesquisa Perfil do Jornalista Brasileiro, com foco na atividade de assessoria de imprensa.
Na tarde do sábado acontecerá a plenária para discussão e aprovação de teses, além da eleição de delegados para o Encontro Nacional de Jornalistas em Assessoria de Imprensa (Enjai), a ser realizado no mês de agosto, no Rio de Janeiro. O encerramento do 8º Ejai será marcado com o Forró dos Jornalistas, a partir de 22h, na Casa de Eventos Chez Marie.
Fonte: Sindjornal

quinta-feira, 13 de junho de 2013

MPE, Caixa e Prefeitura negociam entrega de casas em União

Por João Paulo Farias – Secom/UP
Após a invasão das casas do Conjunto Nova Esperança, construído para abrigar as vítimas das enchentes de 2010, em União dos Palmares, Ministério Público, Caixa e Prefeitura, discutiram na tarde desta quarta-feira, 12, um cronograma de entrega dos imóveis.

A Promotora de Justiça, Carmem Sylvia Nogueira, disse que o MP recebeu dezenas de denúncias sobre irregularidades nos cadastros e na entrega das residências, “o governo federal não fez esse programa para enriquecimento de ninguém e sim para os desabrigados das enchentes, essas casas devem pertencer a quem é de direito”, observa a promotora.

O Prefeito Beto Baía pediu lisura na entrega dessas casas, evitando injustiças, “agradeço a todos por essa reunião, quero colaborar com a Caixa e o MP, para resolver mais rápido possível essa situação”, disse o prefeito.

Uma comissão será formada pela prefeitura para identificar se os ocupantes dos Conjuntos Newton Pereira e Nova Esperança estão regulamente cadastrados. O levantamento será entregue à Caixa para que ela disponibilize a entrega das moradias até o fim deste mês.

Participaram da reunião, os secretários de Assistência Social, Barnabel Bezerra; de Finanças, Roberto Carnaúba; de Comunicação, Hermes Marques e Meio Ambiente, Macário Rodrigues, junto com a coordenadora da Defesa Civil de União, Nádia Seabra, a Superintendente de Articulações de Projetos Sociais da Seinfra/AL, Ângela Paim e os representantes regionais da Caixa Econômica Federal, Dr. Guido Palmeira, Bruno Carneiro e Cleison Bernardino.

quarta-feira, 12 de junho de 2013

Campanha alerta população sobre violência contra idosos

Campanha alerta população sobre violência contra idosos
Para marcar o Dia Mundial da Conscientização da Violência contra a Pessoa Idosa, comemorado em 15 de junho, a Secretaria de Estado da Saúde (Sesau) realiza, na próxima sexta-feira (14), uma ação educativa. O evento acontece das 8h às 12h, na estação ferroviária de Maceió, e vai contar com uma panfletagem voltada para os funcionários e para a população em geral.

O material distribuído tem como objetivo esclarecer os tipos mais comuns de violência contra o idoso, o fluxograma de atendimento e os procedimentos a serem seguidos em casos do tipo. Na ocasião, serão entregues também laços da cor roxa, símbolo da campanha, lembrando à sociedade a importância de discutir a temática.

“Teremos uma demanda boa passando pelo local, inclusive de cidades do entorno da capital, o que vai possibilitar que cheguemos a outras regiões e possamos abranger um grupo maior”, explica a gerente de Saúde do Idoso, Elizabeth Toledo, acrescentando que a Sesau também fez convocações aos 102 municípios para que desenvolvam ações no dia.

Ela destaca que a ideia é mostrar às pessoas que este tipo de violência existe e está presente no dia a dia de muitas famílias. “Durante muitos anos, essa violência ficou velada, escondida. Mas precisamos mostrar que ela existe e que nós, enquanto cidadãos, temos a obrigação de denunciá-la, ajudando a garantir os direitos dessa parcela da população”, expõe.

Segundo Elisabeth Toledo, além das denúncias da população, os casos do tipo também são de notificação obrigatória por parte dos profissionais de saúde. As ocorrências são armazenadas em um instrumento oficial que emite um número de registro para cada uma, para que elas possam ser acompanhadas.

Denúncias
As denúncias podem ser feitas pelo Disque 100, número da Secretaria Especial de Direitos Humanos da Presidência da República, ou pelo Centro Integrado de Atendimento e Prevenção à Violência Contra a Pessoa Idosa (Ciappi), por meio do número 3315-9928. O órgão é ligado à Secretaria de Estado da Assistência e do Desenvolvimento Social (Seades).

De janeiro a junho de 2012, o Centro registrou 79 casos – durante todo o ano de 2011 foram 190. A maior parte desses idosos reside com a família, é do sexo feminino e tem 75 anos ou mais. Já quanto à natureza das agressões, foram registrados violências física, psicológica e sexual, abandono, negligência, abuso financeiro e econômico, autonegligência e maus-tratos.

Entre as medidas adotadas pelo Ciappi, estão visitas domiciliar e institucional, atendimento presencial e encaminhamento aos Centros de Referência Especializado de Assistência Social (Creas) e de Assistência Social (Cras). As ocorrências também são enviadas à Defensoria Pública e ao Ministério Público e instituições de Saúde.

Já o Disque 100 registrou, em 2012, 23.523 denúncias, um crescimento de 186% em relação ao ano anterior, que teve 8.220 casos. “Isso mostra que ou as pessoas estão denunciando mais, estão mais conscientes dessa questão, ou que os números dessa violência continuam crescendo e, por isso, é preciso que cada um faça sua parte”, acrescenta Elizabeth Toledo.
 
Agência Alagoas

domingo, 9 de junho de 2013

Prefeitura cria concurso de fotos para público mostrar sua festa

Foto: Assessoria
Foto tirada durante Arraiá Luar do Sertão, no bairro de Zélia Barbosa Rocha


A Prefeitura de Arapiraca lançou um concurso cultural neste São João 2013. Até o dia 27 deste mês, o público poderá interagir por meio das redes sociais, postando fotos de sua própria festa junina ou do arraial em que estiver.

Segundo a assessoria, a campanha será feita pela plataforma Instagram e basta apenas o candidato no concurso “Meu Arraiá” fazer um registro em seu aparelho celular ou tablet e, em seu perfil, postar a foto.
Ao final da legenda, deve haver a hashtag #saojoaoarapiraca, sem acento algum. Há a necessidade de apenas seguir o perfil da Prefeitura de Arapiraca (@PrefeituradeArapiraca) e pôr o conhecido “jogo da velha” no fim da descrição.

Quem tiver sua imagem selecionada como melhor, integrará as redes sociais da Prefeitura de Arapiraca e ela ainda será reproduzida em telões nos três últimos dias de shows no Lago da Perucaba, para um público de mais de 40 mil pessoas por dia.

A participação é voluntária e não há premiação em dinheiro. “É mais uma forma de mostrar que o povo arapiraquense dá valor e acompanha as festividades. Eternizar aquele momento num clique é a real recompensa, afinal, temos uma cidade linda que precisa ser exposta pela moldura de cada um”, diz a secretária Municipal de Cultura e Turismo, Tânia Santos.

A organização do concurso observa que para efetiva participação, a imagem só poderá concorrer se não tiver cunho ofensivo, imoral e discriminatório. Afora, o participante pode postar quantas fotos quiser, sempre usando a hashtag do concurso “Meu Arraiá”.

Uma comissão julgadora foi designada para avaliar a demanda de material fotográfico, que será analisada em criatividade, originalidade, adequação ao tema proposto e a correta utilização da hashtag #saojoaoarapiraca.

O resultado sai no dia 28, por meio do perfil da Prefeitura de Arapiraca no próprio Instagram, no Facebook e no site oficial.  (Com assessoria)

Programas alternativos tentam barrar o desperdício de alimentos

Foto: Adailson Calheiros

Olívia de Cássia - Repórter

Este ano a Organização das Nações Unidas (ONU) chamou a atenção para o desperdício de comida.  Segundo a instituição, são desperdiçados 1,3 bilhão de toneladas de alimentos anualmente - o equivalente a um terço de toda a produção mundial. Somente nos chamados países desenvolvidos, são 222 milhões de toneladas desperdiçadas - quase o mesmo produzido em toda a África Subsaariana, 230 milhões. O alerta foi dado nas comemorações do Dia Mundial do Meio Ambiente, acontecido no dia 5 último.

Apesar de o Brasil ser o quarto produtor mundial de alimentos, há também um grande desperdício, chegando a 64% de perda durante a cadeia produtiva: 20% na colheita, 8% no transporte e armazenamento, 15% na indústria de processamento, 1% no varejo e 20% no processamento culinário e hábitos alimentares.

A nutricionista Ana Paula Albuquerque, que é especialista em Saúde Pública e Pós-graduada em nutrição clínica, em Maceió, observa que uma solução para este sério problema pode partir da modificação de atitudes e costumes que cultivamos em nosso lar, realizando o aproveitamento integral destes alimentos, fazendo com que a utilização das partes não convencionais faça parte do hábito da população brasileira.

“Devemos sempre lembrar que o desperdício é um mal que precisa ser combatido por todos e iniciado, preferencialmente, dentro da própria casa”, diz Ana Paula. Ela observa que não se consegue grandes mudanças mundiais apenas pensando-se globalmente, “pois grandes mudanças do comportamento universal começam de forma humilde, com o exemplo próprio. Pensar globalmente agir localmente. Cada um faz a sua parte e o grande resultado se constroi”, pontua.

Com o objetivo de evitar o desperdício de alimentos, o Governo do Estado e o Governo Federal firmaram um convênio para a criação de um Banco de Alimentos em Alagoas, mas o projeto ainda não está colocado em prática. Segundo Ana Paula Quintella, superintendente de Segurança Alimentar e Nutricional da Secretaria de Estado de Assistência e Desenvolvimento Social (Seades), provavelmente em agosto de 2014 o projeto será iniciado.

 “Deverá ser construído no prédio do Instituto de Desenvolvimento Rural e Abastecimento de Alagoas (Ideral). O projeto está pronto e aprovado e será firmado por meio da Caixa Econômica, mas a licitação não foi finalizada”, explica Ana Paula.

CONSCIÊNCIA

Na Feirinha do Tabuleiro, em Maceió, a reportagem conversou com três comerciantes. Seu João Pereira da Silva é vendedor de tomates, pimentões, cebolas e outros produtos da hortifruti, há 25 anos. Ele conta que quando sobra algum produto que não está muito machucado faz doação para as igrejas Católica e Evangélica do local ou para outras pessoas da comunidade.

“Eles vêm pegar para fazer sopa, mas às vezes os tomates e outros produtos estão muito machucados, podres, e só servem para lavagem de porcos e a gente doa também. Tem semana que perde muito produto, mas tem outras que não”, explica o feirante. Seu João observa que compra os tomates em caixas de 30 quilos e que às vezes perde de dois a três quilos por caixa, no caso de frutas e verduras; nesse caso ele diz que não doa porque não serve para alimentação.

Neide da Silva trabalha em uma barraca que vende banana, mamão, coco e verduras, mas foi logo se apressando e dizendo que às vezes sobra verduras e frutas e estragam, mas que não fica muito tempo lá no local de trabalho e que o dono não estava para falar com a reportagem.

Seu José de Lima é baiano e também comercializa seus produtos na Feirinha do Tabuleiro. Ele disse que vende tudo muito fresco, mas o que sobra doa para o Programa Mesa Brasil, do Sesc, ou para pessoas da comunidade que fazem sopão para distribuir com pessoas carentes e outros moradores do Clima Bom. “Não tenho muitas perdas aqui e sempre que posso procuro ajudar, não gosto de desperdiçar alimentos”, argumenta seu José de Lima.

O dono de um self service localizado no Centro de Maceió, que preferiu o anonimato, explica que não faz doações das sobras de alimentos para entidades que cuidam de pessoas carentes e para outras pessoas, porque a lei proíbe.  

Ele conta que não tem muito desperdício em seu estabelecimento, porque já tem uma média de quantas refeições serão vendidas em seu restaurante.  “As sobras de alimentos são consideradas restos e não podem ser doadas, porque se acontecer algum problema de intoxicação por causa de alimento seremos punidos. Também sobra muito pouco aqui e faço doação para um senhor do mercado que vem buscar para os porcos”, explica.

Mesa Brasil realiza ações educativas para evitar o desperdício

O Mesa Brasil é um programa do Serviço Social do Comércio (Sesc), em nível nacional, que surgiu com o objetivo  de combater o desperdício de alimentos e a fome. Segundo Lisiane Damasceno Santana, coordenadora em exercício do programa no Estado, o programa existe em Alagoas há dez anos, na modalidade de Banco de Alimentos em Maceió e Arapiraca, e em Palmeira dos Índios colheita urbana (modalidade inicial do programa em Alagoas). 

O projeto funciona com a coleta dos alimentos que possuem valores nutricionais, mas perderam o valor comercial, nas feiras livres ou outro local que faz parte do convênio. Toda doação é coletada pelos carros do programa e é destinada ao banco de alimentos, onde passam por uma seleção e ensaque, antes de serem distribuídos às instituições.

A coordenadora também esclarece que o Sesc não realiza distribuição de refeições prontas. “Doamos os alimentos para instituições que atendem a beneficiários internos e externos, dependendo do trabalho realizado por cada uma delas cadastrada no programa.  Existem instituições sistemáticas que recebem doações a cada 15 dias, e instituições eventuais que recebem em casos de doações excedentes (grandes volumes). A distribuição é realizada por uma nutricionista que destina os alimentos de acordo com o perfil e per capita de cada instituição”, argumenta.

Segundo Lisiane Damasceno, o  Programa Mesa Brasil também realiza ações educativas para os manipuladores de alimentos das instituições; transportadores das doações; capacitações para os doadores, bem como oficinas focando o aproveitamento integral dos alimentos para os beneficiários das doações.

São contempladas com as doações as entidades cadastradas no programa: instituições como abrigos, creches, casa de recuperação para dependentes químicos, associação de moradores de bairros, paróquias, centros espíritas, casas de apoio a paciente com câncer, entre outros. Para se cadastrar para receber o alimento do programa é necessário enviar ofício para inclusão no Programa Mesa Brasil Sesc, em nome do diretor regional da instituição no Estado,  com nome, endereço, características dos trabalhos desenvolvidos na instituição e público atendido.

sábado, 8 de junho de 2013

Arraiá Luar do Sertão resgata o coco de roda durante concurso, em Arapirraca


Por Breno Airan

Nem a chuva atrapalhou os planos do Arraiá Luar do Sertão, no bairro de Zélia Barbosa Rocha, em Arapiraca, na noite desta sexta-feira (8). Esperando os 10 jurados, um cenário estava montado, recriando uma cidadezinha interiorana de décadas passadas.

Com o empenho da prefeita Célia Rocha (PTB) e da comunidade, a segunda noite do Concurso de Resgate às Tradições Juninas foi realizada com sucesso.

Na cidade cenográfica, havia uma rádio com vitrola – abastecida de vinis dos forrozeiros Pajeu do Sertão, Genival Lacerda, Negrão dos Oito Baixos, Luiz Gonzaga e Dominguinhos –, uma TV em preto e branco numa praça, estabelecimentos de barbeiros, costureiras, sapateiros, casa de fazendeiros e até uma igreja, todos na Rua Ilda Mateus de Abreu.

Na via ao lado, a Rua Doralice Ferreira, o palhoção estava todo enfeitado, a esperar pelo arrasta-pé. Antes de começar a apresentação para o concurso, a banda Alegríssimos do Forró deu o tom, animando o público.
Logo na sequência, meninas entre 4 e 10 anos fizeram a Dança da Fita, algo tradicional do Nordeste, mas de manifestação milenar herdada da Europa. Pouco depois, o organizador do evento José Arnaldo Gerônimo Ferreira, o “Bracinho”, se caracterizou de boi bumbá e entrou na brincadeira, antes de começar uma apresentação country.

Um dos momentos mais esperados da noite foi o que a Dança do Coco é exaltada, ao som da banda Balança Mas Não Cai. Os integrantes fizeram uma intervenção com os presentes e chamaram 10 homens da plateia para dançar.

As estudantes Alice Brandão, de 15 anos, e Thawanne Silva, 12, ficaram felizes em participar do evento. “Há dois anos, nós conhecemos o coco e, desde então, não o abandonamos. O coco não pode morrer, por isso fazemos esse resgate todos os anos”, diz Alice.

“E, mesmo chovendo, o povo da comunidade veio nos ver. Isso é gratificante”, completa a pequena Thawanne. Segundo José Arnaldo Gerônimo Ferreira, gratificante mesmo é ver essa juventude se espelhando e dando continuidade a esta tradição.
“E todo ano chove nos arraiais que organizamos. Estou à frente deste, do bairro de Zélia Barbosa Rocha, há 12 anos, e parece que é um bom presságio toda vez que a água cai do céu. É bom pros sertanejos e deixe nossa festa mais feliz, com cara de Nordeste”, diz.

Ele salientou o trabalho da comissão julgadora, que é sempre tão cuidadosa ao avaliar os critérios estabelecidos. “Ganhando ou não esse concurso, fico motivado em todos os anos ver as pessoas interagindo e fazendo as coisas com vontade”, conta o organizador do arraiá.

José Arnaldo ainda chamou uma quadrilha convidada, a do Arraiá Forró na Roça, da Vila São Francisco, para brindar quem compareceu. As rádios Metropolitana, Pajuçara e Nova FM também marcaram presença. Ao final das apresentações, a banda Planta Água encerrou a noite.

Neste sábado (8), os jurados têm mais uma missão: analisar toda a alegria e criatividade do Arraiá Matuto Macho, do bairro Jardim Esperança. Aberto ao público, o início será às 20h.


sexta-feira, 7 de junho de 2013

Prefeito Beto Baía vai pagar reajuste integral aos servidores

Por Ana Paula Pedroza - Secom / UP
Foto de João Paulo Farias
O prefeito Beto Baía anunciou, ontem, que no final do mês de junho pagará o reajuste de 9,5% integralmente aos funcionários públicos de União dos Palmares.
Na assembléia organizada pelo Sindicato dos Trabalhadores Públicos de União, em maio deste ano, ficou acordado entre as partes que o reajuste seria incorporado aos salários em 3 parcelas havendo intercaladas mensais, no entanto o prefeito decidiu que seria pago totalmente em junho.

De acordo com o prefeito Beto Baía, valorizar o servidor público, pagar em dia e dar um reajuste salarial justo é uma meta do seu governo, que vem sendo cumprida todos os meses desde o início de sua gestão.

“Eu, juntamente com a minha equipe, nos empenhamos ao máximo para conseguir pagar esse reajuste integralmente, graças a Deus essa meta será atingida e os servidores públicos terão o reajuste de 9,5% em suas contas agora no final de junho,” disse Beto.

Ana Luiza Marcolino volta ao rádio alagoano

A jornalista Ana Luiza Marcolino estreia o programa Feminíssima,  nesta segunda – feira, 10 de junho, às 11 horas, na Rádio Palmares – AM 800. O programa abordará o universo feminino de A a Z, por meio de entrevistas com especialistas dos mais variados âmbitos da relação humana, numa linguagem simples e objetiva.

“Entre os quadros do Feminíssima, ‘Café com Direitos’ promete uma discussão importante em torno das questões dos direitos e da cidadania, pois a sociedade em geral não conhece as leis que lhes beneficia, em alguma esfera de sua carência. Então o programa estará preenchendo esta lacuna, referenciando estas temáticas dos direitos e da cidadania com advogados especializados e aptos a dirimirem as dúvidas e esclarecerem os questionamentos dos ouvintes, semanalmente”, observa Ana Luiza.

Com dinamismo, a  jornalista e radialista Ana Luiza estará produzindo, apresentando, recebendo os entrevistados e interagindo com o público ouvinte. O programa Feminíssima, em sua primeira edição, estará abordando dois temas muito importantes: dependência química e codependência.

 A agenda de entrevistados já está confirmada. Participarão do primeiro programa, os psicólogos especializados nos temas: Danilo Della Justina e Joelma Nunes, bem como o advogado do Conselho Estadual de Políticas sobre Drogas, Ronnie Reyner e um membro do NAR-Anon, Grupo  de Mútua Ajuda de Familiares de Dependentes Químicos, além de uma mãe que tem um filho dependente químico, a qual estará relatando sua história como codependente.

Segundo Ana Luiza, neste momento, as drogas, especificamente o crack, está destruindo o futuro de muitos jovens e a esperança de muitas famílias, por isso "escrevi o livro Codependência -10 Atitudes Básicas com Dr. Eduardo Melo e Jefferson Góes, para que as famílias de dependentes químicos obtenham informações e orientações claras a respeito do que é a droga, de como lidar com seu familiar dependente e de seus direitos como doente".

Ana convida a todos a entrarem em sintonia com a Rádio Palmares - 800 AM, nesta segunda-feira, às 11 horas e espera contemplar o universo familiar alagoano com um jornalismo radiofônico ético e compromissado em desenvolver seu verdadeiro papel social.

QUEM É

A jornalista e radialista Ana Luiza Marcolino fez de tudo um pouco nestes mais de vinte e seis anos que atua no mercado de comunicação. Sua história profissional faz parte de uma trajetória ímpar de sucesso como produtora e apresentadora de programas de rádio e televisão.

Pós-graduada em Comunicação Empresarial no Cesmac  e graduada pela Universidade Federal de Alagoas, em 1992, Ana Luiza começou a participar do TUA, Teatro Universitário de Alagoas, assim que iniciou o curso de Comunicação Social em Jornalismo.

De 1999 até os dias atuais ganhou prêmios, fez rádio, televisão, trabalhou com assessoria de imprensa, foi cerimonialista da Prefeitura de Maceió e escreveu o livro Codependência – 10 Atitudes Básicas, um trabalho direcionado às famílias dos dependentes químicos.


Abriu sua própria empresa de comunicação, a Parole Comunicações Ltda, a qual saiu do mercado em virtude de sua mudança para a Itália, onde permaneceu por quase dois anos, de onde voltou para dar continuidade à sua vida profissional.

quinta-feira, 6 de junho de 2013

II Semana de Cultura Palmarina prossegue até amanhã

Com informações de João Paulo Farias – Secom/UP

Fotos: Cortesia da Secretaria de Cultura

Com o tema ‘Caminhos de Palmares: Uma Reflexão Sobre Identidades’, a II Semana de Cultura Palmarina, promovida pela Secretaria Municipal de Cultura, discute desde segunda-feira, 3, a vida e obra do Poeta Jorge de Lima e o Quilombo dos Palmares.

As palestras ministradas por mestres e doutores trazem aos participantes da Semana, um vasto conteúdo cultural. Segundo a secretária de Cultura, Genisete Sarmento, o resultado do evento está sendo positivo, “temos uma média de 120 participantes por dia, os palestrantes são excelentes, é um verdadeiro sucesso”, disse.

Genisete acrescenta ainda “a importância de Jorge de Lima e do Quilombo dos Palmares, como referências históricas e culturais de União”, encerra.

A programação tem início às 19 horas no auditório da Prefeitura Municipal, segue a programação dos últimos dias da Semana:

Dia 6 de junho – Palmares na Historiografia Alagoana
19h - Professor-doutor Osvaldo Maciel (Ufal)
Dia 7 de junho – Um novo sistema de colonização: o quilombo
19h - Professor Dr. Dirceu Lindoso



quarta-feira, 5 de junho de 2013

Secretaria da Infância e Juventude de União recebe centenas de livros

Por João Paulo Farias – Secom/UP
A Secretaria Municipal da Infância e da Juventude, recebeu na manhã desta terça-feira,4, cerca de 450 livros, voltados para crianças, jovens e adultos. A iniciativa faz parte do Projeto Tenda da Leitura, que tem como objetivo levar aos jovens do município rodas de leitura e conversa.

Segundo o secretário da infância e da juventude, Sérgio Rogério, a aquisição das obras se deu por meio da parceria com o governo federal, por intermédio do Ministério da Educação. “Mandei um ofício com o projeto em fevereiro, solicitando os livros, que hoje se encontram aqui na secretaria”, disse.

As obras ficarão à disposição dos leitores na sede da secretaria e após catalogação serão disponíveis para empréstimos. Entre elas, merecem destaque, Chapeuzinho Vermelho, A Divina Comédia, O Pagador de Promessas e clássicos de autores como: Ariano Suassuna, Monteiro Lobato, Dias Gomes e Vinícius de Moraes.

Sérgio acrescenta ainda, que a secretaria vai funcionar numa linha mais educacional e formadora para crianças e adolescentes. “Essa é uma das primeiras respostas positivas que a gente está tendo”, lembra.

O secretário tem como projeto futuro a criação de uma biblioteca no bairro Roberto Correia de Araújo, maior e mais populoso bairro da cidade: “Temos lá uma juventude muito grande, precisamos desse espaço de leitura e pesquisa, para atender os jovens desse bairro e dos vizinhos”, concluiu.

terça-feira, 4 de junho de 2013

Prêmio Octávio Brandão terá a participação de Fernando Gabeira

O jornalista, escritor e fundador do Partido Verde (PV) Fernando Gabeira estará em Maceió no próximo final de semana para participar do julgamento e da solenidade de entrega do Prêmio Octávio Brandão de Jornalismo Ambiental. Convidado pela Abes, o Sindjornal e a Braskem, ele também fará palestra no sábado, a partir das 9 horas, no Hotel Radisson.

 A palestra, que terá a participação de outros jurados do Prêmio, abordará diversos temas, a maioria ligada à atividade do jornalista ambiental e à preservação do meio ambiente. Entre os debatedores estarão a jornalista Velma Correia (assessora de imprensa da Associação Brasileira de Engenharia Sanitária e Ambiental - Abes), a jornalista Catarina Buriti (assessora de comunicação do Instituto Nacional do Semiárido - Insa), e a publicitária Graziella Fritscher (assessora de comunicação do Projeto Recor - Restauração do Rio Coruripe).

Os interessados devem se inscrever junto ao Sindicato dos Jornalistas, pelo telefone 3326-9168. A palestra é aberta a jornalistas e estudantes de jornalismo.

PREMIAÇÃO

A Abes, o Sindjornal e a Braskem já concluíram os preparativos para a entrega do Prêmio Octávio Brandão 2013, que acontecerá a partir das 21 horas do sábado, na casa de eventos Armazem Uzina. Os organizadores prometem uma grande festa, recheada de surpresas, para marcar os dez anos do prêmio ambiental.

Cerca de 700 pessoas, entre jornalistas, estudantes, ambientalistas, empresários, autoridades e dirigentes de órgãos públicos devem participar da solenidade, que terá como tema de ambientação os canais e lagoas do Estado, acompanhado de um show da cantora Wilma Araújo (Os Gonzaga)

CONCORRÊNCIA

Cerca de 70 jornalistas e estudantes estão disputando este ano o Prêmio Octávio Brandão, que contempla com R$ 37 mil e troféus os autores das melhores reportagens sobre meio ambiente. O concurso homenageia o 1º, 2º e 3º colocados em cinco categorias profissionais (Jornal Impresso-Texto, Jornal Impresso Imagem, Reportagem de TV, Reportagem Cinematográfica e Webjornalismo), além do 1º colocado na categoria Estudante. 

Fonte: Sindjornal e NEJ-AL

segunda-feira, 3 de junho de 2013

Semana do Meio Ambiente

Foto de Olívia de Cássia - gameleira branca plantada na Serra da Barriga

Olívia de Cássia- jornalista

Nesta segunda-feira, 3, teve início a Semana do Meio Ambiente, quando é comum as escolas e comunidades desenvolverem atividades como plantio de mudas de árvores e campanhas de conscientização da preservação ambiental.  

O Dia Mundial do Meio Ambiente é comemorado no dia 5, mas em todo o país várias atividades  tiveram início neste domingo, 2.  A gente não deveria lembrar a questão da preservação ambiental apenas nessas datas comemorativas.

Preservar e ter atitudes conscientes são posturas que devem permanecer sempre, o ano inteiro: nas escolas, nas ruas e em nossas casas, num aprendizado constante.

Segundo os organizadores dos eventos, o objetivo é fazer com que os estudantes e a sociedade como um todo saibam quais são as atividades que podem comprometer o meio ambiente e o futuro das próximas gerações. 

Em todo o país, este ano as campanhas estão voltadas para a educação. E seria bom se todas as escolas públicas e privadas adotassem atitudes proativas com relação ao tema, incentivando seus alunos, principalmente as crianças, a começarem em seus lares aprendendo educação ambiental e não ficar só no discurso nessa época do ano.

Em União dos Palmares, no domingo, teve passeio ciclístico para comemorar a data, promovido pela Sala Verde e prefeitura; também haverá programação ambiental nas escolas do município.

Em Maceió, a Semana Itinerante do Meio Ambiente da Secretaria Municipal de Meio Ambiente (Sempma) teve início no domingo com programação na orla da Ponta Verde: teve coleta de lixo nas praias, exposições, distribuição de mudas, atividades lúdicas, trilhas e recolhimento de lixo eletrônico.

Além disso, segundo a Secretaria, será possível que a população possa denunciar a prática de crime ambiental, o que será averiguado pela Sempma.

A coordenadora de Educação Ambiental da Sempma, Eva Moraes, explicou que as ações têm como objetivo alertar as pessoas sobre a importância da preservação do meio ambiente. “Convidamos a população para participar da Semana Itinerante, que será um momento bastante interessante”, disse Eva.

Já no próximo dia 8, sábado, haverá a festa do Prêmio Octávio Brandão de Jornalismo Ambiental, que durante o dia  terá oficia a partir das 9 horas do mesmo dia, no Hotel Radsson, e eunirá jornalistas de vários veículos de comunicação, além de estudantes de jornalismo da Ufal, Cesmac e FITs.

A oficina é realizada todos os anos e antecede a solenidade de entrega do Prêmio Octávio Brandão, realizada na noite do mesmo dia. Cerca de 70 jornalistas e estudantes estão disputando este ano o concurso, que contempla com R$ 37 mil e troféus os autores das melhores reportagens sobre meio ambiente. (Com informações da Secom e do Sindjornal)

Três anos de espera

Foto: Divulgação

 Olívia de Cássia – Jornalista

No próximo dia 18 faz três anos que aconteceu a enchente em Alagoas, que devastou ruas em vários municípios do Estado, como Rio Largo, União dos Palmares, Santana do Mundaú, Murici, Branquinha e outros, mas até o mês de abril passado, somente 7.600 casas foram entregues, em 11 municípios atingidos pelas enchentes dos rios Mundaú e Paraíba.

Ao todo, são 17.747 unidades habitacionais, em 32 conjuntos residenciais, sendo construídas dentro do programa em 19 municípios. As casas do “Programa da Reconstrução” são financiadas pela Caixa Econômica Federal por meio do programa “Minha Casa, Minha Vida”, num total de R$ 727 milhões em recursos para a construção dos conjuntos habitacionais.

Pelo projeto inicial, as casas teriam: 41m² de área, contando com dois quartos, sala, cozinha, banheiro, varanda, área de serviço, com forro PVC. Além de toda a infraestrutura, com esgoto, água, energia elétrica, calçamento e acesso. Além disso, 3% das casas são adaptadas para deficientes físicos e há espaços destinados para equipamentos públicos, como áreas verdes, playgrounds, escola e posto de saúde, além de completa infraestrutura externa.

Mas o que se observa em alguns bairros recém-construídos é a total falta de fiscalização. Em União dos Palmares, o Conjunto Newton Pereira já apresenta diversos problemas estruturais. O calçamento, com poucas semanas que foi entregue já apresentava afundamento em alguns locais, nos últimos dias houve problemas de alagamento por falta de drenagem correta, a fossa teria sido construída em local indevido, entre outras questões.

Recentemente, surgiram na imprensa várias denúncias de que muita gente que não foi vítima da enchente teria conseguido entrar no programa da reconstrução e ganhado casas. Por conta dessas denúncias, o Ministério Público Estadual (MPE) resolveu entrar na questão e detectou falhas na distribuição dessas moradias.

Segundo o que foi divulgado, a promotoria de algumas cidades, como Rio Largo e São José da Laje aponta que a demora na entrega das casas às vítimas das enchentes de 2010 é fruto de irregularidades em cadastros e má distribuição dos imóveis. É preciso investigar de que forma foram feitos os recadastramentos.

Segundo a promotoria de algumas cidades, houve inconsistência de dados repassados pelas prefeituras, cujo balanço não corresponde com a realidade atual; ou seja: a entrega de um grande número de unidades quando a quantidade de moradores é bem menor. O caso precisa ser investigado com isenção, imparcialidade e sem paixões.  

O problema dos serviços em obras públicas, como a gente sabe, é a falta de fiscalização, de empenho e  seriedade na condução das obras. Na maioria das vezes superfaturam os serviços e empregam material de terceira, quando os conjuntos se destinam às classes menos favorecidas: o que é um absurdo. 

Ainda tenho esperança

Por Olívia de Cássia Cerqueira O dia amanheceu com mais uma promessa de vida. É sexta-feira, dia de alegria, como todos devem ser: de agr...