quinta-feira, 30 de janeiro de 2014

Estado devolve verba à União

O Ministério da Justiça recebeu, apenas em 2013, a devolução de R$ 135,35 milhões de todos os estados do país . (Foto:Márcio Fernandes-Estadão
Olívia de Cássia – Repórter

O Estado de Alagoas devolveu à União o montante de R$ 836.911, valor de contratos firmados nos anos de 2008 e 2009. Segundo a assessoria da Superintendência de Administração Penitenciária (Sgap), os dois contratos foram cancelados a pedido do Departamento Penitenciário Nacional (Depen) do Ministério da Justiça, após o governo federal ter identificado que as obras não criariam novas vagas no sistema prisional alagoano.

A assessoria explica ainda que a construção do Centro Ecumênico na Penitenciária Feminina de Santa Luzia já tinha começado e o governo do Estado arcou com as despesas.Em Alagoas, além do centro ecumênico, o dinheiro ia ser utilizado para a construção de um módulo  no presídio Desembargador Luís de Oliveira, em Arapiraca.  

 “A verba voltou porque não era para abertura de vagas”, conta a assessoria da Sgap. Segundo um levantamento do Departamento Penitenciário Nacional (Depen), ligado ao Ministério da Justiça, nos últimos dez anos 15 estados e o Distrito Federal deixaram de usar R$ 187 milhões liberados pelo governo federal para construir e reformar presídios.

Além de Alagoas, constam na relação Ceará, Distrito Federal, Goiás, Maranhão, Mato Grosso do Sul, Minas Gerais, Pará, Paraíba, Pernambuco, Rio de Janeiro, Rio Grande do Norte, Rio Grande do Sul, Rondônia, Sergipe e Tocantins.

Segundo reportagem do jornal O Globo, o Ministério da Justiça recebeu, apenas em 2013, a devolução de R$ 135,35 milhões de todos os estados do país. Para a Secretaria Nacional de Segurança Pública (Senasp), as irregularidades encontradas nos projetos, a execução das obras gastando menos que o valor previsto ou ainda a falta de execução são apontados como os principais motivos para tamanha “sobra” de recursos.

Segundo o Ministério da Justiça, os R$ 135,35 milhões devolvidos se referem a todos os convênios na área de Segurança, o que abrange o Programa Nacional de Segurança Pública com Cidadania (Pronasci), o Fundo Nacional de Segurança Pública (FNSP) e outros.

Isso inclui ainda, segundo a informação do Ministério da Justiça, parcerias firmadas em anos anteriores, mas cujos recursos foram devolvidos só em 2011, 2012 ou 2013. O levantamento também inclui municípios e ONGs pois, diz a Senasp, “não há como separar esta informação nos sistemas”. Mas, desde 2011, já não são feitas parcerias com organizações.

De acordo com o Ministério, são muitos os motivos alegados para a devolução. Um deles é o início tardio da execução do convênio por problemas na estrutura administrativa. Também há falhas nos processos licitatórios. Em outros casos, falta pessoal capacitado, ou o quadro de funcionários é incompatível com a demanda. Outro motivo possível é aquisição de bens ou serviços a custo menor que o previsto.

EXECUCÕES PENAIS

Contatado pela reportagem por celular, para falar do assunto, o juiz da Vara de Execuções Penais, José Braga Neto, disse que está viajando e que vai se inteirar do assunto e amanhã vai falar sobre o assunto.


Entre os estados brasileiros, São Paulo foi onde governo, municípios e ONGs mais devolveram recursos nos últimos três anos: R$ 23,3 milhões. Seguido do Rio Grande do Norte estão, Rio Grande do Sul (R$ 7,9 milhões), Pernambuco (R$ 7,71 milhões), Rio de Janeiro (R$ 7,71 milhões), Paraná (R$ 7,68 milhões) e Amazonas (R$ 7,52 milhões) e Alagoas (R$ 836.911).

A menina que sonhava ...

Olívia de Cássia Correia de Cerqueira

Era uma vez uma menina que sonhava...
Gostava de sol, de mar, de flores,
Uma menina que sonhava sonhos lindos,
Percorria lugares encantados, de fantasias...
Era uma vez uma menina...
Que queria viver e ser feliz.
Gostava de música, de arte...
A natureza a encantava:
Os pássaros, as nuvens formando
Carneirinhos no céu, o mar...
Aquela menina queria muito mais...
Queria viver em liberdade...
Queria viver o amor em sua plenitude...
Mas um dia a menina se fez mulher,
Cresceu e percebeu que 
A realidade é diferente dos sonhos... 
Acordou.

Parque Quilombo dos Palmares recebeu 10.646 visitas em 2013

Cerca de cinco mil visitantes transitaram pelo local, apenas, no dia Nacional da Consciência Negra

Silvia Shayline
Assessoria de Comunicação-Setur\AL

O Parque Memorial Quilombo dos Palmares  recebeu no ano passado 10.646 visitantes, segundo pesquisa realizada pela Secretaria Municipal de Turismo de União dos Palmares. O levantamento não contabiliza o número de visitantes no dia Nacional da Consciência Negra (20 de novembro), estimado em 5 mil pessoas pela Guarda Florestal do Parque.

O alto número de visitantes já era esperado, segundo Mell Bezerra, diretora de Articulação, Negócios e Investimentos da Secretaria de Estado do Turismo (Setur-AL).

“Devido à data festiva, o parque sempre recebe um número maior de visitantes no último trimestre do ano. São pessoas que buscam vivenciar a trajetória de Zumbi e do Quilombo dos Palmares”, destaca.

Ainda baseado nos dados da pesquisa, 3.189 alagoanos visitaram a região apenas no mês novembro, dando ao estado o primeiro lugar do ranking de visitação, seguido por Pernambuco, São Paulo, Sergipe e Bahia.

Os principais motivos que atraíram visitantes foram o turismo, a pesquisa e o desenvolvimento de projetos.
Além dos turistas nacionais, visitantes de dezenove países passaram pelo Parque Memorial no ano passado. Entre eles destacam-se alemães, suíços e chilenos, que vieram a Alagoas pesquisar a cultura negra.

quarta-feira, 29 de janeiro de 2014

De Volta à Angola Janga lembra os 320 anos da destruição do Quilombo dos Palmares

Foto: arquivo 
Por João Paulo Farias 

Com o tema: 320 anos da Derrubada do Quilombo dos Palmares, 320 anos de Resistência, a secretaria de Cultura de União dos Palmares em parceria com a Fundação Cultural Palmares e Grupos Culturais do município realizarão nos dias 5 e 6 de fevereiro a terceira edição do projeto, que tem como o objetivo homenagear todos os quilombolas, que lutaram e fizeram o Quilombo dos Palmares.

A secretária de Cultura, Genisete Sarmento, que é a idealizadora do projeto, nascido quando ela era representante da Fundação Palmares no Estado, lembra que o dia 06 de fevereiro de 1694 foi o dia da última batalha do Quilombo, onde Palmares foi extinto.

Esse ano as homenagens terão a participação dos grupos culturais do município, que irão se apresentar a partir das 18h do dia 5, no pátio da estação ferroviária. A abertura oficial do evento será as 22h e logo após os participantes irão seguir de veículos até o sítio recanto, na Serra da Barriga, onde haverá uma cerimônia ecumênica. Ao término do ato religioso, seguem de carro até o primeiro estacionamento da Chesf, desse ponto até o Parque Memorial, o percurso será feito a pé, com diversas paradas para reflexão.

“É bom que se frise, que esse não é um momento de festa, e sim de reflexão; é um momento que a gente quer trazer os remanescentes quilombolas que existem em Alagoas, porque são descendentes dos que sobreviveram a aquela chacina, por isso o nome De Volta à Angola Janga, De Volta ao Quilombo dos Palmares, para se energizar e carregar as turbinas e continuar a luta. A população afrodescendente do Brasil ainda sofre com os efeitos da longa escravidão”, destacou a secretária.

Ela lembra que o dia 6 de fevereiro é uma data muito importante, “Pra mim é quando se começa oficialmente as celebrações do mês da Consciência Negra, que terminam no dia 20 de novembro”, ressalta.

Programação:

Dia 5 de Fevereiro
Local – Estação Ferroviária
Horário – 18h
 18h - Grande Roda de Capoeira – Associação de Capoeira Quilombo dos Palmares – ACQP;
 18h20 – Grupo de Reggae Alto do Cruzeiro;
 18h40 – Grupo de Dança Afro do Alto do Cruzeiro;
 19h – Grupo de Samba de Coco do Muquém;
 19h20 – Grupo de Coco de Roda Alto do Cruzeiro;
 19h40 – Grupo de Dança Afro do Muquém – Referendada a Oxumaré;
 20h – Grupo de Raggamuffin do Muquém ;
 20h20 – Banda Afro Nação Dandara;
 20h50 – Grupo de Coco de Roda do Muquém;
 21h10 – Banda Love Jah;
 21h40 – Banda Raízes de Zumbi;
 22h10 – Cerimônia de Abertura;
 23h20 – Saída para o Sítio Recanto;
 23h50 – Chegada ao Sítio Recanto .

Programação:

Dia 6 de Fevereiro
Local – Serra da Barriga
Horário – 00h
 00h – Ato Religioso com participação do Pároco de União dos Palmares;
 00h40 – Início da Vigília.
 1h – 1ª Parada, 1º Estacionamento – ACQP e demais capoeiristas;
 2h – 2ª Parada, Heliponto – Juventudes;
 3h – 3ª Parada, Jaqueira – Quilombolas;
 4h – 4ª Parada, Entrada do Parque Memorial Quilombo dos Palmares – Religiosos de Matriz Africana;
 5h – Café da manhã;
 6h – Encerramento;
 7h – Retorno à cidade.

Enquanto aguardo a chave ...

Olívia de Cássia – jornalista

Enquanto aguardo a chave para abrir a porta do meu local de trabalho, me ponho a pensar em mil assuntos que estão na ordem do dia em meu ciclo do cotidiano. São 6h57 quando começo a escrever e penso que ainda tenho duas pautas para concluir.

Cá estou eu imaginando ideias para ilustrar as matérias, além do texto que vou escrever e em como vou cumprir minhas tarefas acumuladas durante o recesso da Assembleia. A greve dos servidores continua até que paguem os salários devidos.

Não recebemos décimo-terceiro, que deveria ter sido pago em 20 de dezembro do ano passado e passa um monte de indagação na minha cabeça. São tantas coisas a pensar e resolver e estaciono no prazo que terei para colocar todas as informações em dia: vai demorar.

Este ano será atípico; de eleições, Copa do Mundo, temas que tomam quase todas as pautas dos meios de comunicação e as rodas de conversa nos botequins. E enquanto o tempo vai passado tão rápido, eu lembro que já se passaram sete anos, desde o fechamento da nossa Tribuna de Alagoas e ainda não recebemos nossas indenizações, os ganhos que todo trabalhador tem direito.

Essas informações me vêm à tona, quando lembro que tenho reformas urgentes da minha casa para fazer, serviços que são essenciais: reforma total. Preciso de tudo por lá, de toda estrutura: desde o piso, pintura e outros adereços, a móveis e eletrodomésticos. Quase nada mais está prestando lá em casa e ela grita por uma reforma.

Enquanto aguardo a chave vou pensando em tudo isso; ligo o rádio na Educativa FM e ouço uma entrevista da vereadora Heloísa Helena (PSOL) que fala de vários temas, como o orçamento de Maceió, recém-aprovado na Câmara.

A vereadora falou ainda de seu voto contrário à matéria e os motivos que a levaram a isso, falou de seus projetos no parlamento municipal e da pré-candidatura ao Senado, entre outros assuntos, como os gastos exorbitantes de alguns candidatos na próxima campanha.

Loló disse que vai fazer uma campanha propositiva, ‘pisando firme e seguindo em frente. Espero que a campanha seja de alto nível’, disse ela e é o que todos nós esperamos. A população esclarecida está cansada da baixaria nas campanhas e da ausência de propostas e projetos.

Há um ciclo vicioso na política brasileira e em Alagoas isso não é diferente: é preciso acabar com a corrupção, mas cada dia vejo isso se distanciar. E me ponho a pensar na proposta do voto facultativo no Brasil.

Nesta quarta-feira, 29, entrou em vigor a chamada Lei Anticorrupção Empresarial no País. A norma prevê que empresas e pessoas jurídicas respondam civil e administrativamente quando seus empregados ou representantes forem acusados de envolvimento com a corrupção de agentes públicos, de fraude em licitações ou de dificultar investigações.

Mas a Lei 12.846 entra em vigor, no entanto, sem que o decreto presidencial que a regulamenta tenha sido publicado, de acordo com informações publicadas na imprensa, mas segundo a Casa Civil, a lei é válida mesmo sem a publicação do decreto.

Ainda falta a regulamentação de aspectos como os critérios para aplicação das multas, os fatos agravantes da prática ilícita e quais os mecanismos corporativos de controle de irregularidades que podem servir de atenuantes à pena pode criar dificuldades processuais, caso alguma empresa ou entidade venha a ser denunciada. Enquanto aguardo a chave eu sigo pensando em temas múltiplos e o tempo corre.

Banda de fanfarra da escola Mário Gomes é eleita a melhor de Alagoas

Fotos: Ascom Semed/UP
Por João Paulo Farias
O Relâmpago - União dos Palmares

A escola municipal Mário Gomes de Barros, uma das mais antigas de União dos Palmares, ganhou o concurso de bandas fanfarras realizado durante a 8° Feira dos Municípios Alagoanos no último domingo, 26.

A campeã concorreu com mais 26 outras bandas e celebrou a vitória na noite de segunda-feira, 27, na escola, com a presença dos componentes da fanfarra, professores, diretores e o secretário de Educação Ricardo Praxedes.

“É motivo de orgulho para todos nós, e como secretário de Educação, é uma satisfação e alegria receber esse troféu de campeã”, disse Ricardo, que ressaltou a importância dos componentes da banda e da equipe gestora da escola. “Parabenizo o Everaldo Crispim, diretor da escola e o grande maestro Jaegero, pois a banda está indo de vento em polpa”, destaca o secretário.

O maestro Jaegero Ferreira foi há cerca de dez anos um dos primeiros músicos a fundar a banda fanfarra do Mário Gomes, que antes era marcial. Ele fala com orgulho da premiação: “a gente vinha trabalhando com as músicas, com cada componente, lutando e se preparando para esse momento”, disse.

Jaegero lembra que esse não é o primeiro título que a fanfarra do Mário recebe. Em 2012, a banda ficou em segundo lugar num concurso Norte-Nordeste de fanfarras. “Hoje estou muito grato por essa realidade que é a banda Mário Gomes”, concluiu.

Já o Mor da fanfarra, Rafael Soares, 19, disse que é motivo de orgulho participar da banda há quatro anos e não tem palavras para descrever a alegria de ser a melhor de Alagoas.

segunda-feira, 27 de janeiro de 2014

Professores e alunos da Escola Padre Cabral esperam retratação da secretária de Educação

Arquivo da escola
Reclamação é que a gestora desconhece as conquistas da escola e teria sido injusta publicamente

Olívia de Cassia-Repórter

Professores, alunos e funcionários da Escola Padre Cabral, do bairro operário de Fernão Velho, em Maceió, estão indignados com a postura adotada pela secretária estadual de Educação, Josicleide Maria Pereira de Moura, que publicou decretos e documentos no Diário Oficial do Estado, a respeito da interdição ocorrida naquela unidade escolar, cujo conteúdo está sendo contestado pelo corpo discente e docente da escola.

Eles procuraram a redação para fazer a reclamação e esperam da secretária uma retratação pública, pela forma como divulgou na imprensa oficial os motivos que levaram à intervenção ocorrida na escola no ano passado.   

Segundo Lucidalva Novais, coordenadora pedagógica da Padre Cabral, ao contrário do que foi colocado pela secretária Josicleide Moura, o real motivo da intervenção na escola foi a falta da prestação de contas não efetivada pela gestão anterior.

“Outro ponto a ser ressaltado é que não houve desrespeito, como foi divulgado, nem foi descumprido o artigo segundo, parágrafo quarto da Lei 6.628\2005”, segundo ela afirma. Lucidalva Novais argumenta em sua reclamação que a eleição ocorrida na escola foi democrática e direta, de acordo com o que a lei prescreve.

“Foi nomeada a professora Maria Maidê Ribeiro Rocha e sua exoneração foi a pedido e não afastamento, como foi decretado no Diário Oficial”, destaca.

DEDICAÇÃO

Durante o processo de dificuldades enfrentadas pela escola, ela explica que os funcionários apontados como inertes e sem compromisso, pela secretária, durante os intervalos das aulas, vendiam pipoca, doces e picolés, numa pequena cantina, com o objetivo de angariar fundos para ajudar a escola.

”Uma escola inoperante não possui professores que fazem questão de ministrar aulas preparatórias para o Enem (Exame Nacional do Ensino Médio), no contra turno”, pontua.

Segundo a coordenadora, há mais de dez anos que a escola recebe certificados de Escola Solidária, pelos projetos desenvolvidos com fins sociais.

 “O mais recente foi: Idoso uma fonte de saber; todos os alunos participaram ativamente, inclusive tivemos a presença  da assistente social da Universidade Federal de Alagoas, Maria Lúcia Santos Moreira da Silva, que na ocasião ficou encantada com a adesão do projeto por toda a comunidade escolar”, pontua.

PRÊMIOS

Ela relata ainda que a equipe pedagógica da escola, por meio de seus alunos, foi uma das que mais receberam medalhas de menção honrosa nas Olimpíadas de Matemática em 2012, inclusive uma medalha de prata e o professor, por esse feito, recebeu um prêmio.

Em 2011, mesmo com o déficit do quadro de docentes, a escola teve 12 aprovados no Enem. Entre outras conquistas da escola, segundo a coordenadora, é que um ex-aluno da escola, Jhony Willams Gusmão do Nascimento, aluno do quarto ano do curso de Medicina  da Uncisal (Universidade Estadual de Ciências da Saúde de Alagoas), foi o primeiro alagoano a ganhar o primeiro lugar no Prêmio Destaque do Ano na Iniciação Científica e Tecnológica 2013, na categoria Bolsista de Iniciação Científica do Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico (CNPq).

Por este reconhecimento a um ex-aluno, Lucidava Novais aproveita também o momento para agradecer, em nome da Escola Padre Cabral, à presidente do Consu (Conselho Universitário), por ter lembrado que Jhony Willams Gusmão do Nascimento “foi nosso aluno no Ensino Médio e que  também fazíamos parte dessa conquista”, observa.

Segundo o corpo docente e discente da escola, em 2012, a coordenadora pedagógica Maria Lucidalva Santos de Novaes Barbosa recebeu a comenda Silvio Viana por estar entre os dez melhores funcionários públicos do Estado o que é motivo de orgulho para todos.

domingo, 26 de janeiro de 2014

Poluído e com baixa vazão, Mundaú pede socorro

Fotos do Rio: Olívia de Cássia
Olívia de Cássia – Repórter
Quem observa agora a baixa de vazão do Rio Mundaú nos 15 municípios alagoanos por onde ele passa, não acredita que em 2010 virou um tsunami e levou ruas inteiras de várias cidades,  entre Pernambuco e Alagoas. Em União dos Palmares, onde antes eram as ruas do Jatobá e Demócrito Gracindo (a Rua da Ponte), as poucas águas que restam desse importante rio federal estão paradas, esverdeadas e com lodo, mostrando o alto grau de poluição.
A reportagem da Tribuna Independente percorreu vários trechos das ruas levadas pelas águas da enchente de 2010 e observou que em alguns locais dá para passear onde antes era o leito do rio. Muito lixo e entulho também são jogados às margens e segundo os moradores, essa prática é antiga, junto com o esgoto doméstico, que foi jogado in natura por vários anos até acontecer o desastre ecológico há três anos.
“Tem dono de abatedor de galeto que joga as penas e as vísceras no rio e isso prejudica, acho que polui ainda mais o rio: também muitos moradores jogam lixo e entulho ainda; as margens foram desmatadas e não há quase mais peixes no Mundaú”, reclama o morador Paulo José Correia.
Ainda em União dos Palmares, na localidade conhecida como Choque, onde funcionava um lava-jato, há apenas poças de água. Ali o rio está morto e só há imensos lajeiros ressecados pelo sol de verão; isso porque choveu no mês de novembro. Em outros trechos há vestígios de retirada de areia do leito e foram cavadas verdadeiras crateras nas barreiras do Mundaú.
Por conta de ser um domingo o dia da nossa visita, o serviço não funciona, mas alguns moradores confirmaram a prática de extração da areia do leito e das barreiras, para venda. A reportagem constatou que, se não for tomada uma providência imediata, o Rio Mundaú vai secar de vez, causando um desastre ecológico, pois os afluentes: Riacho Macacos, Canabrava, Sueca e outros de União também estão poluídos e com suas margens desmatadas.
A reportagem também foi até o local onde é feita a retirada da água pelo o Serviço Autônomo de Água e Esgoto (Saae), para o abastecimento de água do município e lá a vazão está muito baixa. Nesse trecho do rio é possível ver o fundo com manchas escuras de lodo.
Procurado pela reportagem, pelo Facebook,  o diretor da autarquia, Gustavo Pedroza, disse que no momento o nível do rio ainda não está prejudicando o abastecimento de água, “porém, se o tempo continuar como está, vamos ter problemas futuros”, observa.
Gustavo Pedroza informou que recebeu um requerimento do vereador palmarino Cícero Aureliano (o Tita-PMN), solicitando que o Saae realize o plantio de 2.000 árvores nativas às margens do rio e que também faça três mutirões de limpeza em 2014. O diretor disse que o Serviço Autônomo de Água e Esgoto (Saae) de União vai colocar em prática a sugestão do vereador do PMN, ainda no primeiro semestre.
RIO TORTO
Mundaú na língua tupi quer dizer "lagoa grande". O Rio Mundaú, o rio torto, como disse o poeta Jorge de Lima, nasce no município de Garanhuns (PE) e desemboca na Lagoa Mundaú (AL), o que o torna um rio federal. A sua bacia possui uma área de 4.126 km2, sendo que 52,2% no Estado de Pernambuco e 47,8% em Alagoas, banhando 30 municípios, metade dos quais em Pernambuco.
Destes, quatro estão totalmente inseridos na bacia (Angelim, Correntes, Palmeirina e São João) e outros quatro têm a sede do município inserida na bacia (Caetés, Canhotinho, Garanhuns e Lagoa do Ouro). A outra metade dos municípios, localizados em Alagoas, dez possuem sede na bacia e nenhum está totalmente inserido.
No Estado de Pernambuco, a bacia do Rio Mundaú limita-se ao norte com a bacia do rio Una, ao sul com Estado de Alagoas e com o grupo de bacias de pequenos rios interiores 1 - GI1; a leste com a bacia do rio Una e com o Estado de Alagoas e, a oeste, com o grupo GI1 e com a bacia do rio Una.
(Foto: Divulgação)
Palmarinos aguardam emenda para revitalização do rio
A reportagem da Tribuna conversou com o secretário de Meio Ambiente de União dos Palmares, Macário Rodrigues. Ele disse que uma pessoa chegou a ser presa no município pela prática ilegal da retirada de areia do Rio Mundaú. Segundo Macário, a situação do rio é séria, mas o município deposita esperanças em uma emenda, que segundo ele teria sido aprovada na Câmara Federal, supostamente de autoria do deputado federal João Lyra (PSD), no valor de três milhões de reais, para a revitalização do Mundaú.
“No trecho que vai de União dos Palmares até São José da Laje, a revitalização está prevista para começar em 2014; já replantamos quase duas mil espécies no Mundaú e no Riacho Canabrava (afluente do rio)”, observa Macário.
A reportagem da Tribuna Independente entrou em contato com a assessoria do deputado João Lyra para ter conhecimento do teor da emenda, mas foi informada que a emenda não existe.
A reportagem apurou que no dia 11 de setembro de 2011, o deputado concedeu entrevista em uma rádio de Maceió e afirmou que destinaria R$ 2 milhões em Emendas no Orçamento da União para começar a dragagem da lagoa Mundaú. Mas a informação que circula no município de União dos Palmares é que a Emenda já teria ido aprovada e que as obras de revitalização de um trecho do rio começariam este ano.
AFLUENTE
Também fomos até a velha ponte onde passa o Riacho Sueca, outro afluente do Mundaú, que está com suas margens desmatadas, poluído, com pouco volume,  águas que estão escuras e precisam de maiores cuidados. Com grau de poluição maior está também o riacho Canabrava, outro afluente do Mundaú que irou um esgoto a céu aberto.
A Constituição Brasileira, em seu artigo 225 declara que todos têm direito ao meio ambiente ecologicamente equilibrado e que a água é um bem de uso comum do povo. Em diversos lugares do planeta, milhares de pessoas já sofrem com a falta desse bem essencial à vida. A água é um recurso natural que propicia saúde, conforto e riqueza ao homem, por meio de seus incontáveis usos, dos quais se destacam o abastecimento das populações, a produção de energia, o lazer, a navegação, entre outros bens.
Proposta há mais de dez anos, criação do Comitê das Bacias ainda não saiu do papel
A Lei 9.433, a Lei Nacional das Águas, diz que a concessão para a utilização das águas de um rio pode ser feita com a outorga e no caso de um rio federal, como é o caso do Rio Mundaú, com o consentimento da Agência Nacional das Águas (ANA).
A reportagem apurou que a discussão da criação do Comitê das Bacias dos rios Mundaú e Paraíba está emperrada há mais de dez anos e até agora não saiu do papel. Em 2001, segundo a nossa pesquisa, chegou a acontecer uma audiência pública no Estado de Pernambuco para discutir a questão, foi criado um Comitê naquele estado, mas depois foi extinto. 
Consultado sobre o assunto, o ambientalista Anivaldo Miranda, que já foi secretário do Estado e atualmente é presidente do Comitê da Bacia do Rio São Francisco, diz que os estados têm uma responsabilidade muito grande sobre isso. “Já houve audiência pública para discutir a questão, mas o assunto morreu. A ANA (Agência Nacional das Águas) é responsável pela outorga e criação do Comitê para fazer gestão da água”, observa.
Anivaldo Miranda pontua que existe potencial para a criação do Comitê das Bacias, que estão praticamente privatizadas “e, diferente dos argumentos, há acomodação suficiente para se ter a estrutura mínima, mas o governo federal fica se segurando e quando acontece uma enchente vão correr atrás do prejuízo”, reclama.
Segundo o jornalista, o grande caminho para a revitalização do rio Mundaú  é a formação do comitê das bacias. “Estão acabando com o rio, todos os afluentes estão com barragens clandestinas e não há um plano de gestão para ver a disponibilidade da formação do Comitê das Bacias. Estão querendo dar a solução com a construção das barragens; a outorga exige avanços com melhorias tecnológicas e responsabilidade”, observa.
O ambientalista destaca ainda que é escandaloso que até hoje esteja sendo postergada a criação do Comitê de Bacias do Paraíba e a do Mundaú apesar de todos os apelos feitos. “É preciso que a comunidade cobre a fiscalização de monitoramento e projetos de revitalização”, pois segundo ele, todo o complexo lagunar Mundaú-Manguaba será afetado e é preciso fazer a recuperação das margens dos rios.
“A sociedade precisa participar da discussão e a questão tem que ser trabalhada como um todo. Já teve audiência pública, mas o comitê se dissolveu porque a ANA não deu prosseguimento ao processo e fica se amarrando porque dá trabalho esse processo de revitalização”. O jornalista analisa que  a questão (da revitalização) não se resolve apenas com a construção de barragens: “Tem que ser replantada toda a Mata Ciliar dos rios, fazer campanhas de conscientização com a população”, entre outros pontos.
Semarh está fazendo levantamento topográfico digital das bacias do Mundaú e Paraíba
 A Secretaria de Estado do Meio Ambiente e dos Recursos Hídricos (Semarh), por meio de sua assessoria, informou que está realizando o levantamento da topografia digital das bacias hidrográficas Mundaú e Paraíba, por meio de imagens de alta resolução com que registram profundidades, altitudes, entre outros pontos, para auxiliar no caso de enchentes e catástrofes.
 “As Bacias do Mundaú e Paraíba são o foco do monitoramento da Sala de Alerta (Sala de Monitoramento Hidrometeorológico), onde estão instaladas as Plataformas de Coletas de Dados para avaliação dos níveis dos rios. O levantamento de imagens está em fase de conclusão e irá auxiliar esse monitoramento”, ressalta.
 Segundo a assessoria da Semarh, com o crescimento dos municípios à beira dos rios principais das bacias, há uma preocupação com o saneamento do local. “Existem obras na Secretaria de Estado de Infraestrutura tanto relativas ao saneamento quanto relacionadas à criação de barramentos tanto no Rio Mundaú quanto no Paraíba”, pontua.

 Sobre os Comitês de Bacia, a secretaria informa também que as discussões estão bem avançadas entre os estados de Pernambuco e Alagoas e a Agência Nacional de Águas. “Os estudos de viabilidade financeira dos comitês já foram aprovados, e a proposta de ambos os estados é que seja criado um comitê para ambas as bacias, com autonomia estadual; está prevista para janeiro uma reunião entre todos os interessados que definirá os próximos passos na criação do comitê”, destaca.

sábado, 25 de janeiro de 2014

Internautas reclamam nas redes sociais do alto preço no parque de diversões da Festa da Padroeira de União

Por João Paulo Farias
Tribuna União
Diversos internautas palmarinos reclamam desde quinta-feira, 23, através da rede social Facebook, do preço “salgado”, oferecido pelo Parque de Diversões da Festa da Padroeira de União dos Palmares, que fica durante as dez noites de duração do evento.
Segundo informações, o preço para passar dois minutos num brinquedo é de R$ 4 reais e até R$ 4,50, o que gerou a indignação do internauta Rogério Vasconcelos: “Rapaz avisa ai ao parque de diversões que eles estão é em União dos Palmares, quatro reais num brinquedinho de dois minutos é fogo”, disse.
Já a internauta Selma Balbino exclamou: “Oxe é  R$ 4 mesmo é aff não vou levar meus galegos não”, observou.  O que chama a atenção é que em outros anos o preço máximo era R$ 3 reais, para os brinquedos maiores e esse ano o aumento pegou todos de surpresa.

sexta-feira, 24 de janeiro de 2014

Procissão da bandeira homenageia padroeira de União dos Palmares

Por João Paulo Farias - Texto e Fotos 
Milhares de católicos acompanharam na noite desta quinta-feira, 23, a procissão da bandeira de Santa Maria Madalena, padroeira de União dos Palmares.

O ato religioso segue a programação dos 179 anos da Festa da Padroeira do município, que tem início com a procissão do mastro e termina com o descerramento da bandeira no dia 3 de fevereiro.

Durante o percurso era possível notar demonstração de fé e devoção à Santa; os fiéis cantavam e traziam nas mãos lamparinas. A doadora da bandeira foi à senhora Gorete Galvão.

O pároco da Igreja Matriz, José Clerinaldo, falou da importância da veneração a Maria Madalena, e disse que “a procissão é um momento de reflexão e não para conversas paralelas”, pontuou o padre.

O momento também foi para homenagear a funcionária pública Cléria Lilian, conhecida como “Kely”, assassinada em março de 2013. Kely foi a doadora da bandeira ano passado e foi lembrada nas palavras do pároco como uma “guerreira que devido à violência não pôde estar conosco hoje”, disse Clerinaldo, que rezou uma ave-maria com os fiéis.

Ao chegar à Praça Basiliano Sarmento, mais de cinco mil pessoas, assistiram ao hasteamento da bandeira no mastro que tem 22 metros. A bandeira fica durante as dez noites de festa, que inicia hoje, 24 e tem como dia principal, 2 de fevereiro, com uma grande procissão da padroeira.


















quinta-feira, 23 de janeiro de 2014

Casa Dom Bosco celebra padroeiro e pede ajuda de benfeitores

Danielle Silva - Alagoas 24Horas

De 22 a 31 de janeiro a Fundação João Paulo II de Maceió, Casa Dom Bosco, celebra seu padroeiro, São João Bosco. Durante esses nove dias de festa haverá vasta programação religiosa, com celebração diária e programação interna para crianças e adolescentes atendidos pela instituição.
De acordo com o responsável pela Casa, padre Tito Régis, as comemorações deste ano incluem uma campanha para sensibilizar benfeitores. A Casa, que possui 22 anos de existência, necessita de doações das mais diversas para conseguir se manter. Itens de limpeza, higiene pessoal, medicamentos, materiais descartáveis e até alimentos são algumas das principais necessidades.
O padre Tito convida os interessados em conhecer o trabalho da Casa Dom Bosco, a visitarem suas dependências. “Normalmente recebemos visitas às quartas-feiras, no entanto, qualquer dia que quiserem nos conhecer, as portas estarão abertas. Aceitamos, inclusive, candidatos a voluntários de qualquer área, inclusive médicos e profissionais da saúde”, convocou o padre.
Régis explica que a programação interna é uma forma de oferecer lazer e entretenimento aos internos. “Será uma semana diferente, uma espécie de colônia de férias com visitas a museus, clubes e competições esportivas”, disse o padre. Entre os 35 internos, há crianças que foram abandonadas pelos pais e adolescentes que estão tentando se livrar do vício das drogas.

Lista de Materiais

MEDICAMENTOS:
Diclofenaco
Neosaldina
Aas
Tylenol
Dorflex
Aspirina
Doril
Nebacetim
Paraqueimol
Estomazil
Epavitam
Eno
Band aid
Esparadrapo
Mercurio/ mertiolate
Algodao
Cotonete
Apracur
Diversos
MATERIAS DIVERSOS:
Pano de prato
Pano de chão
Copos descartaveis ( agua e cafe )
Papel sulfite luvas de jardinagem
Luvas de borracha para limpeza
Regador
Cabo de enxada
Cabo de enxadão
Rastelo
Enxada
Enxadão
Tesoura para podar
Pingo de ouro
Maquina para cortar grama
Pilha grande
Vassouras
Rodos
Sandalias tipo havaianas : n. 36,37,38,39,40,41 e 42.
ALIMENTOS:
Leite
Óleo
Ovos
Sardinha
Salame
Bolacha
Soja
Manteiga/margarina
Açucar
Suco
Chocolate
Peixe
Frango
Carne
Pão
Fuba

Doações

Seguem os números das contas bancárias da instituição para doações em dinheiro. Já quem quiser fazer outro tipo de doação pode entrar em contato pelos telefones: 33141408/88017047.
ITAÚ- AGÊNCIA 8293- CONTA 18849-9
CAIXA ECONÔMICA- AGÊNCIA 0810 -CONTA 03001994-0
BANCO DO BRASIL- AGÊNCIA 0013- CONTA 6967-1
SANTANDER- AGÊNCIA 4538 -CONTA 1300077-2
A Casa Dom Bosco fica na Avenida Jorge Montenegro de Barros, nº 4.000, bairro de Santa Amélia.

Especialista aconselha planejamento nas despesas mensais

Olívia de Cássia – Repórter

Todo começo de ano as famílias brasileiras ficam às voltas com gastos extras como: IPTU, IPVA, material escolar, matrícula dos filhos e despesas que se acumularam no Natal e Ano-Novo, que afetam as finanças pessoais. Equacionar essa conta pode ser difícil, mas o economista Silvio Costa aconselha que manter um orçamento equilibrado e se a pessoa puder fazer o pagamento dessas despesas à vista é o ideal.
O economista destaca a importância de se fazer uma programação para os gastos no início do ano, com planejamento e bom senso. Ele lembra que é possível saber com antecedência qual será o valor dos débitos e, portanto, o planejamento para a quitação é mais fácil de ser feito.
Segundo Silvio Costa, esse “é o momento ideal de se fazer um planejamento financeiro da família, listar as despesas fixas com a projeção das despesas do ano anterior e fazer uma planilha para o ano todo”. 
Ele pontua que ao lado dessa planilha, a família  deve lançar as despesas temporárias (IPVA, IPTU, matrícula da escola) “e na hora que soma vai ter o gasto, baseado na receita, nesse caso, soma e subtrai-se”; se o saldo for negativo, ele destaca que o pagamento vai ter que sair de algum lugar.
“Se for parcelar a despesa em cartão de crédito, o consumidor deve saber que vai pagar juros e o ideal é que sejam parcelas pequenas e altas, a serem pagas no menor espaço de tempo com a maior prestação”, reforça. Se for empréstimo bancário, segundo o economista, também deve-se optar pelo mínimo de parcelamento. “Tem que ter equilíbrio no orçamento, se a pessoa puder pagar à vista é o ideal”, aconselha.
Silvio Costa também ensina que se a família puder fazer uma poupança para se prevenir de gastos extras é uma boa iniciativa, pois não existem juros baratos. Para o pagamento do IPTU, por exemplo, ele também aconselha que se o proprietário do imóvel puder pagar à vista é a opção ideal. “O ideal é ter bom senso, manter um orçamento familiar equilibrado e tentar fazer uma poupança”, ressalta.
BOA IDEIA
Bom senso, como recomenda o economista Silvio Costa é o que tem a dona de casa Vanessa Barbosa. Ela tem dois filhos, um menino de dez anos e uma menina de sete, e disse que para enfrentar esses gastos do começo do ano, ela e o marido adotam várias medidas de economia doméstica; a principal, segundo ela, é ter em casa um cofrinho. “Depositamos cédulas de dois e de cinco reais, o ano todo, e nessa época já temos cerca de quatro mil reais para pagar essas contas”, observa.
Vanessa Barbosa disse ainda que gasta com as despesas de matrícula e material escolar dos filhos em torno de dois mil reais e além do cofrinho ela reforça que enxugam as despesas, cortam alguns gastos nas compras de mês, “a exemplo de supérfluos, cortar as saídas com a família, os presentes, entre outras medidas”.
Fabiana Melo é outra dona de casa que estava na livraria onde fizemos nossa reportagem; apesar de não querer ser fotografada ela contou que todo ano faz uma programação dos gastos com material escolar, matrícula, IPVA, IPTU e, baseada nos gastos do ano anterior, já deixa o dinheiro guardado para essas despesas.


Saiba quem são os locutores da Festa de Santa Maria Madalena - 2014

Fonte: Blog JMarcelo Fotos

Os festejos a Santa Maria Madalena, padroeira de União dos Palmares, já começaram e hoje, a parti das 20h, teremos a Procissão Luminosa da Bandeira (a orientação é para os fiéis levarem lamparinas), saindo da Casa Paroquial.


No último domingo, uma multidão acompanhou a Procissão do Mastro. Hoje à noite o padre José Clerinaldo Gualberto de Lira, pároco da Matriz de Santa Maria Madalena, e outros padres vindos de outras cidades farão o cortejo pelas ruas do centro de União. Fora os milhares de devotos de Santa Maria Madalena que todo ano acompanham a procissão. 

Hoje a noite terá a participação dos locutores oficiais da festa que iniciaram seus trabalhos hoje. Uma surpresa entre os apresentadores é o radialista Kleber Marques, que por muitos anos apresentou o evento ao lado de Lurdinha Macário. O comunicador, que faz parte do elenco da Rádio Zumbi FM, apresentará a festa ao lado de Kiko Viana, Luíza Oliveira e Ricardo Valério.

Assim como Kleber Marques, o locutor Kiko Viana, que por anos vinha apresentando a Procissão do Mastro, este ano subirá ao palco com os demais colegas de comunicação. O evento terá mais surpresas para o público presente à Praça Basiliano Sarmento: é que os radialistas Douglas Lopes e Lurdinha Macário terão participações especiais nas noites sociais da festa.

Segundo um dos organizadores "a volta de Kleber Marques, Lurdinha Macário e Kiko Viana só irá engrandecer a festa: há anos que muitos palmarinos pediam a volta deles", observam acrescentando: "Vamos juntar os antigos locutores com essa geração nova como Luiza Oliveira e Ricardo Valério". 

Os comunicadores palmarinos irão receber por seus serviços R$ 1.000. No palco eles farão um revezamento de dois por noite e no dia 2 de fevereiro, principal noite do evento, os quatro estarão trabalhando juntos.

Criança é barrada por companhia aérea em embarque

Foto: Sandro Lima
Olívia de Cássia- Repórter

Na tarde de ontem, no aeroporto de Maceió, uma cena chamou a atenção da reportagem da Tribuna Independente. Eliene Bento da Silva estava indignada com a companhia aérea Azul, na qual veio de São Paulo e teria que retornar ontem, porque não conseguiu embarcar de volta para São Paulo, segundo ela, com a filha adotiva de um ano e meio.
Ela veio passar uns dias na casa da mãe, no município de Teotônio Vilela e estava em uma lanchonete do aeroporto, quando encontramos o grupo. Eliene Bento da Silva estava acompanhada da avó paterna da criança, Maria Felismino Sila e mais um casal e disse que teve autorização da mãe biológica da menina para ir a Alagoas.
Com uma declaração feita a mão e assinada pela juíza substituta Viviane Amorim, do subdistrito 41º de São Paulo, Eliene Bento disse que já tinha percorrido vários fóruns em Maceió, Arapiraca, Teotônio Vilela e Junqueiro, mas disse que os juízes estavam de férias ou ausentes do local de trabalho, que pudesse autorizar o embarque, diante da negativa da Azul.
Segundo Eliene, o pai da criança já é falecido, ela seria mãe adotiva da criança e teria que voltar porque  retoma ao trabalho nesta quinta-feira. Segundo ela, a argumentação da empresa aérea é que a declaração trazida por ela de São Paulo não é válida.
“Se a declaração não é válida, com é que viajei com a criança? Já falei com o responsável pela empresa e me disseram que tem que ter outra autorização”, observou. A reportagem tentou entrar em contato com a empresa  Azul mas não teve sucesso. No final da tarde ligamos para dona Eliene Bento para saber o que ficou definido e ela informou que teria que embarcar e deixar a criança com a sua mãe, que mora em Teotônio Vilela.
“Vou ter que deixar a criança com  minha mãe e a mãe biológica vai ter que vir para Alagoas buscar a criança; não sei como isso vai ser possível. Só neste estado mesmo que acontece isso, se fosse me São Paulo já tinha resolvido”, finalizou.

Preços no aeroporto Zumbi dos Palmares estão nas nuvens e não adianta reclamar

Fotos: Sandro Lima
Olívia de Cássia - Repórter

Os preços dos serviços de táxi, lanchonete e outras lojas no aeroporto de Maceió estão causando insatisfação e alguns consumidores, visitantes e turistas que chegam para visitar o Estado têm reclamado.  A reportagem da Tribuna Independente foi até lá para ouvir usuários do transporte aéreo e verificar as reclamações.
Uma senhora que se identificou apenas como Ana, que estava a trabalho e ia para o Rio de Janeiro,  estava tomando um cafezinho e reclamou do preço: por um café e um pastel  ela disse que pagou R$ 10,50. “Isso é um absurdo”, reclamou.
Talvez mais que um absurdo sejam os preços cobrados nas lanchonetes. Um sanduiche de queijo comum mais um refrigerante chega a custar R$ 30!
Detalhe: não há opções de acesso a alimentação próxima ao aeroporto – exceto em Rio Largo – para quem por desventura tiver de amargar um atraso de voo enquanto espera a chegada de um parente ou amigo. Numa situação dessa, a saída é se submeter aos preços cobrados nas lanchonetes.
Há queixas também sobre os preços de produtos e artigos em lojas de confecções e de conveniência.
Geraldo Fonseca  estava com  amigos que embarcariam para Montes Claros, Minas Gerais, numa lanchonete do aeroporto e mostrou ser uma exceção. Disse que não achou os preços tão altos, em comparação com os que são praticados nos aeroportos de outros estados: “Tanto a refeição quando o sanduíche, a diferença é pouca”, pontuou.
O serviço de táxi oferecido no aeroporto de Maceió é feito por 36 taxistas credenciados, mas apuramos que tem muita gente pirata atuando no local. Tentamos conversar com a funcionária de uma das empresas, mas ela disse que não tem autorização para dar entrevista.
Um dos taxistas, que pediu para não ser identificado porque não pode dar entrevista, disse que uma corrida com destino ao Centro de Maceió é cobrado R$ 70. Se for para municípios como Maragogi é cobrado R$ 270.
Sobre a informação de que táxis de Maceió não poderiam circular no aeroporto, ele informou que não pode ficar parado no local, da mesma forma que os autorizados, mas se o passageiro quiser ligar para alguma empresa de táxi que conheça, ele pode.
Livre mercado
Infraero não tem como aferir preços
O superintendente do aeroporto de Maceió, Adilson Pereira da Silva, explicou que com relação a alguma reclamação a respeito dos preços dos serviços oferecidos no local, a Infraero não tem ingerência.
 “A Infraero é uma empresa pública e todos os serviços oferecidos são precedidos de uma licitação, e se comercializa aquilo que foi objeto da licitação; todas as empresas estão aqui através de um processo licitatório”, observa.
Adilson Pereira informa ainda que a Infraero não tem como estabelecer um preço para os serviços oferecidos no aeroporto de Maceió, pois são baseados no livre mercado “e para isso existem os órgãos fiscalizadores e os consumidores poderão fazer suas reclamações”, ressalta.

Ainda tenho esperança

Por Olívia de Cássia Cerqueira O dia amanheceu com mais uma promessa de vida. É sexta-feira, dia de alegria, como todos devem ser: de agr...