Postagens

Mostrando postagens de 2016

O que esperar do Ano-Novo?

Imagem
Por Olívia de Cássia

A dois dias para terminar o ano de 2016 dá um frio na barriga em pensar o que nos aguarda para 2017. É tanta safadeza, tanta desmoralização das instituições concebidas para proteger o cidadão e dos nossos representantes, que a gente se pergunta se ainda sobrará alguém para nos defender, quando precisarmos.

Acabei de chegar de um salão de beleza, onde fui retocar o tingimento do meu cabelo vermelho e ouvi uns diálogos de uma cliente e o dono do salão. A revolta da população é geral, apesar da confusão de ideias que fazem do que se passa no país.

Confusão proporcionada pelos meios de comunicação parciais e apoiadores do golpe, que, guardadas as devidas proporções, criminalizaram a política levando todos à mesma vala comum. Todos bem familiarizados com o que diz a grande mídia golpista e sem escrúpulo.

A mesma mídia que faz um tsunami quando se trata de acusações contra petistas e acusações sem comprovações ao ex-presidente Lula e marolinhas quando se trata de par…

Considerações sobre o Natal

Imagem
Por Olívia de Cássia

E no próximo sábado, novamente é Natal. O tempo passa tão depressa e como diz o poeta, quando percebemos não cumprimos as promessas do ano anterior. Eu já não faço lista de metas tem muito tempo e o que vier de positivo para mim será lucro.

Não farei planos e não prometerei nada a ninguém, nem a mim mesma. O que der para fazer e eu tiver condições, será feito. Só quero me organizar mais e ocupar o meu tempo, para não cair na ociosidade e mesmice. Peço a Deus só um pouco mais de tolerância.

Apesar de saber que estarei ficando mais velha logo nos primeiros dias do ano e que não sei o que me espera com relação às minhas limitações, torço para que acabe logo este ano. Que não haja mais nenhuma tragédia e que Deus tenha condescendência com nosso Brasil. Só ele poderá nos salvar.

Este ano não vai deixar nem um pingo de saudade para a maioria da população. Um ano difícil para a nossa Nação. O país está vivendo uma crise sem tamanho e tenho dito e repetido, ‘primeirame…

Venho de andanças

Olívia de Cássia Cerqueira

Venho de andanças.
Algumas valeram a pena,
Como lições de vida.
Sou sobrevivente
Da minha agonia.
Não posso reclamar da vida.
Não posso reclamar da sorte.
Venho de andanças...

A insônia me pegou

Imagem
Por Olívia de Cássia

Da mesma forma que agora deito-me logo cedo, a insônia me pegou. Inquieto-me. Os pensamentos voam longe. Vou para a cama na esperança que o sono chegue, mas tudo em vão.

Juca, meu filhote caçula de quatro patas requer atenção da ‘mamãe’. Desligo a TV à hora de novelas chatas, que não me dizem nada e só ligo num programa musical. Única coisa na semana que vale a pena assistir, para quem não tem TV a cabo.

O noticiário não vale mais a pena ver. Não traz notícias novas e nem interessantes e só repete a cantilena enfadonha de corrução na política brasileira. Não dá para confiar na tendenciosidade do que se relata na mídia. Estamos pobres de jornalismo.

Ouço Nirvana na voz de uma das concorrentes e me arrepio. Não há nada melhor do que uma boa música, interpretada por uma voz bonita. O que não dá para engolir são os comentários de certa técnica do programa, mas continuo assistindo.

Juca dorme aos meus pés na cama e Malu no chão; parece molinha com a idade. Os gatos …

É o fim de tudo?

Imagem
Por Olívia de Cássia

A vida tem sido generosa comigo, em comparação a outras pessoas que têm situações complicadas na vida, com problemas diversos e de difícil solução. Apesar do diagnóstico no começo do ano da Doença de Machado Joseph, venho perseverando para que meus dias sejam leves e de esperança.

Tenho procurado não pensar nas limitações que já se apresentam e naquelas que o problema pode me trazer. Preciso continuar acreditando que comigo poderá ser diferente do que aconteceu e acontece a muitos dos meus familiares e antepassados.

Apesar de tudo, procuro ser otimista, pois não custa nada. Mas no que diz respeito à atual conjuntura política do País, está difícil ser otimista diante de tanta injustiça, retrocesso, golpes; e da atual conjuntura imoral.

Este ano de 2016 - ainda bem está terminando-, trouxe muitas tragédias, mortes de pessoas queridas, outras pessoas importantes para a história, que lutam por um mundo melhor e mais justo, e isso tem me entristecido e desejado que o …

Lamento de um rio...

Imagem
Olívia de Cássia Cerqueira.


O Mundaú está morrendo
Socorram o Rio Mundaú.
Onde antes corria água
Agora é mato que se vê,
Tomando conta do seu leito.
Até árvore pequena está nascendo.
Dá vontade de chorar...
De ver o rio da minha infância
Clamando por socorro.
O rio Mundaú chora o descaso
Desmatamento, seca, poluição
Estão matando o rio federal.
Socorram o Rio Mundaú.
Replantem sua mata ciliar,
Arborizem suas margens,
Eduquem as crianças
Para amarem nosso rio
Não deixem morrer
nossas lembranças
Não deixem secar nosso rio.
Socorram o Mundaú....



Foto: Olívia de Cássia Cerqueira.

Até quando não sei

Imagem
Por Olívia de Cássia
Os dias vão passando e vou seguindo tentando administrar situações difíceis: ora econômicas, outras de logística, de deslocamento, de rotina doméstica. E assim as horas vão passando, entre uma tragédia ou outra, que é noticiada.

Até quando vamos ver a impunidade vencendo, mesmo diante da grita do povo, com a aprovação dessa PEC do inferno ontem. Foi mais um tempero do golpe que se estabeleceu no país nos últimos meses.

Por outro lado, eu me recuso a ficar de cara o dia todo na televisão, vendo tanta desgraça explorada até o último bagaço, como dizia minha mãe. E quanto mais eles espremem, mais acham. Cenas chocantes e amarguradas que só o sensacionalismo sabe como fazer.

O Brasil vai afundando cada dia mais, entre uma corrupção e outra e me ponho a perguntar, se terá fim esse pesadelo, ou se ainda há maneiras de o país se reinventar e seguir os rumos da própria história.

Foram muitos os golpes nas terras tupiniquins, desde a implantação da República. Segundo Ro…

Lamento

Imagem
Por Olívia de Cássia
É com pesar que vejo a notícia da morte do comandante Fidel Castro nas primeiras horas da manhã deste sábado que já começa calorento nas redes sociais. Mas com bem disse o colega Carlos Madeiro em seu Facebook, pode se dizer tudo de Fidel, mas há que se considerar que em Cuba a educação e a saúde funcionam.

Para aqueles que o criticam sem nem ter conhecimento do que aconteceu quando da Revolução Cubana, eu recomendo leitura. A Revolução Cubana foi um movimento popular, que derrubou o governo do presidente Fulgêncio Batista, em janeiro de 1959. Um ano antes do meu nascimento.

Com o processo revolucionário foi implantado em Cuba o sistema socialista, com o governo sendo liderado por Fidel Castro. Recomendo mais informações no site http://www.suapesquisa.com/historia/revolucao_cubana.htm, entre outros.

Não estou aqui defendendo ditaduras e não sou a favor de uma revolução pelas armas, embora em algum momento da vida já cheguei a pensar assim. Sou pela democracia,…

Por um Brasil melhor

Imagem
Por Olívia de Cássia
De volta ao nosso bate-papo, meu Diário, cá estou eu tentando seguir minha nova rotina de fisioterapia e pequenas caminhadas, na tentativa de retardar os efeitos da DMJ. Passei alguns dias de enfado, dores, cansaço, mas nem assim sossego, enquanto não escrevo e ponho para fora algumas inquietações que vêm do fundo da alma.

Fora do mercado de trabalho e licenciada, por motivos de saúde, acompanho de longe o movimento da categoria; a política brasileira e a conjuntura atual, que não é das melhores. Dá fadiga e revolta a gente acompanhar o noticiário, principalmente o televisivo.

Todos concordam que uma reforma política no Brasil é necessária, para que a sociedade civil tenha cada vez mais espaço nas decisões tomadas pelos nossos poderes. Isso já foi dito amplamente por especialistas e comentaristas políticos confiáveis.

No entanto, do jeito que a carruagem está andando, estamos indo para o fundo do poço. Não sei, sinceramente, se ainda dá para ter alguma esperan…

Consciência e ocupação

Imagem
Por Olívia de Cássia
No próximo domingo acontecem as celebrações do Dia da Consciência Negra, em homenagem a Zumbi dos Palmares e a todos os guerreiros e guerreiras que lutaram contra a escravidão no Brasil. Este ano, na data prevista, não estarei fisicamente no local, mas com certeza ficarei com o pensamento e coração voltados para as celebrações.

Desde a década de 1980, quando se iniciaram em União dos Palmares e na Serra da Barriga, as comemorações para homenagear Zumbi e o povo negro, branco e índio que se refugiou no quilombo, tenho participado e comparecido de alguma forma.

Por questões de limitações do corpo, por causa da Doença de Machado Joseph, estarei ausente fisicamente, sem esquecer o que representa e simboliza para nós que lutamos por uma sociedade mais justa e igualitária.

Embora avalie que todos os dias seja de a gente se policiar contra a intransigência e o preconceito manifestado seja de que modo for. Nunca devemos parar de lutar pelos nossos ideais e tenho esse…

Estou de volta

Imagem
Por Olívia de Cássia

Há mais de 15 dias sem escrever no blog, tive a sensação de que algo me faltava. Para quem tem o vício e o gosto pela escrita, é um sufoco danado: dá impaciência e angústia. Problema técnico resolvido, eis-me aqui com alguns questionamentos, alegria na família pelo nascimento de mais um membro e algumas inquietações pessoais que me afloram vez ou outra.

A notícia que está em pauta nos grandes meios de comunicação e nas redes sociais é a eleição do presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, tema que já viralizou na net. E sem querer me aprofundar nesse assunto já bem comentado, gostaria de tecer algumas considerações aqui.

O mundo neste ano de 2016 retrocedeu, ficou careta, conservador, homofóbico, racista, preconceituoso e outros adjetivos mais. Depois de três séculos da epopeia de Zumbi, que deu o primeiro grito de liberdade do Brasil, a gente fica se perguntando o que aconteceu com a sociedade?

Este mês de novembro é simbólico para todos aqueles que têm idea…

O choro não vem

Imagem
Por Olívia de Cássia

Quero chorar, mas as lágrimas que antes jorravam com facilidade, já não me chegam assim. Tem horas que me sinto feito um zumbi, andando cambaleando, entre um desequilíbrio, uma queda e a falta de firmeza nas pernas.

Entre contradições; dores, perdas e experiências a gente vai seguindo em frente, tentando ser forte e acreditando que ainda posso ser eu. Antes, me bastava 'uma cara feia' e já estava eu a chorarando, não precisava de muito esforço.

A vida endureceu um pouco meu coração que já foi por demais magoado: muita experiência adquiri. A ataxia tira a sensibilidade da gente e nos torna mais céticos diante de fatos. Não quero me tornar uma pessoa fria que não se emocione com uma bela paisagem, uma bonita história de amor ou uma amizade sincera.

Não devemos fazer julgamentos e nem juízo de valor a respeito de quem quer que seja, muitas vezes sejamos tentados a isso. Quando me deparo com alguém muito rígido, frio e que aparenta não ter sensibilidade, …

Eu vivi os anos 1980

Imagem
Por Olívia de Cássia

No ano de 1980, quando perdi meu primeiro vestibular para Medicina, que era sonho da minha mãe, fiz a última viagem das muitas que costumava fazer quase todos os anos ao Rio de Janeiro, para onde mamãe me encaminhava, à casa dos meus tios, para me afastar das minhas amizades de União dos Palmares, que era uma preocupação dela.

Dessa vez fui ver se aventurava emprego em terras cariocas; já com 20 anos, apenas com curso de datilografia e o científico terminado, tinha meus sonhos de liberdade e independência bem aprofundados e queria deixar de depender dos meus pais.

Fiquei 'morando' no Rio de Janeiro quatro rápidos meses, passando temporadas na casa de um parente ou outro. Não tinha incursões por grandes aventuras por lá. Saídas só com os primos e primas, para programas com as crianças, que eu gostava muito.

Os passeios à Quinta da Boa Vista, Pão de Açúcar, à casa de familiares e à praia. Era o tempo da novela Água Viva. A violência já dava seus sinais n…

Desorganização e caos

Imagem
Por Olívia de Cássia

Talvez eu não tenha mais tempo para ver o que vai acontecer no Brasil daqui a 20 anos, quando estiver pago a cota do pacote de maldades do governo ilegítimo aprovado pela Câmara Federal. Mas o que o país está vivenciando, essa onda de atraso e retrocesso social, só vai ser percebida pelos mais jovens talvez quando nada tiver mais jeito.

Sou uma pessoa cronicamente desorganizada. Minha vida não tem sido fácil, como a de muitos brasileiros, mas bem mais estável em alguns aspectos do que a maioria que vai perder todos os benefícios adquiridos ao longo dos 12 anos dos governos Lula e Dilma.

Dependo do Sistema Único de Saúde-SUS que bom ou ruim é o que me tem valido nas horas de precisão, pois não tenho aporte financeiro para pagar planos exorbitantes de saúde. O desmonte na educação e na saúde está me deixando agoniada.

As políticas públicas que eram o carro-chefe do governo do PT estão sendo todas destruídas pela insanidade e incompetência de quem está no poder. …

De repente você percebe

Imagem
Por Olívia de Cássia

Hoje amanheci um tanto quanto niilista, saudosa, decepcionada e desacreditada. De repete você percebe que as instituições que foram criadas para proteger o cidadão, não protegem nada e estão aí para acudir apenas quem tem poder.

A gente não conhece as pessoas por inteiro e vem aquele sentimento que não cabe dentro da gente: de decepção e tristeza. Aprendi que não devemos alimentar expectativa a respeito dos outros. Já nos bastam as nossas, que nem conseguimos resolver.

O mundo está mais feio, violento, sem gentileza, cheio de ódio e de intolerância e essa constatação me deixa mais triste. Eu continuo a perseverar e acreditar que podemos ser melhores, mas até lá vai um caminhão de decepções.

Me reporto ao pensador e filósofo Frederico Nietzsche, que vem lembrar que os valores tradicionais depreciam-se e que os "princípios e critérios absolutos dissolvem-se e tudo é sacudido, posto radicalmente em discussão.

"A superfície, antes congelada, das verdades …

Que vença o melhor

Imagem
Por Olívia de Cássia
Às vésperas do dia da eleição municipal os boatos correm soltos nas redes sociais, 'como um rastilho de pólvora', como dizia aquela personagem Altiva, da novela Indomada. Tem candidato ficha suja com medo de ser impedido; enrolado na Justiça, mas desmentindo o que foi dito.

Teve candidato que se perdeu pelas besteiras que andou dizendo por aí; e não foram poucas e em quase todos os municípios aconteceu isso: todo ano é a mesma novela enfadonha. Cada um querendo ser melhor que o outro e querendo mostrar serviços que deixaram para fazer de última hora. E 'os podres' de cada um aparecem no horário político.

Mas estranhamente, em município como São Paulo, o melhor prefeito dos últimos tempos aparece nas pesquisas lá embaixo. Fernando Haddad é o homem público que toda pessoa do bem quer ter como gestor. Mas os paulistanos nos criticam dizendo que não sabemos votar e estão apostando em candidatos da direita golpista, por ódio e preconceito.

Se bem …

E ali estava eu

Imagem
Por Olívia de Cássia
E ali estava eu: um tanto quanto incrédula diante daquela reviravolta; eu sabia que poderia ser verdade, mas fazia de conta que poderia não ser: como a gente faz quando não quer acreditar em algum fato corriqueiro da nossa convivência pessoal, ou não quer enxergar.

Às vezes damos uma de 'João sem braço', para continuar lutando por aquilo que a gente acredita. Muitos anos pensando que aquela situação fosse a 'felicidade' que eu porocurava, para não ter que dar o braço a torcer e acreditar que as outras pessoas tinham razão quando insinuavam o contrário.

Eu não queria aceitar ou fingia que não acontecia. A vida é assim: no livro O Caçador de Pipas, de Khaled Hosseini (2012) Amir e Hassan, dois meninos quase da mesma idade, vivem vidas muito diferentes no Afeganistão da década de 1970.

Amir é rico e bem-nascido, um pouco covarde, e sempre em busca da aprovação de
seu próprio pai. Hassan, que não sabe ler nem escrever, é conhecido por coragem e bo…

Quando o ter vale mais

Imagem
Por Olívia de Cássia

Desde que tive consciência da minha existência terrena, ou como dizem no popular, que eu me entendo por gente, que observo as desigualdades na sociedade. Na infância nunca passei fome, mas ouvia os relatos dos meus pais a respeito de exemplos de quando moravam na roça.

Nasci em União dos Palmares, numa comunidade que antes era referência de entrada na cidade, quando as estradas de acesso à comunidade eram muito ruins e de barro. Era pela Rua da Ponte que passavam ônibus interestaduais, mercadorias e por onde o trânsito fluía para a capital, mesmo que de forma rude.

Depois que construíram a BR 104, o local passou a ser periferia e eu já não morava lá, mas estava sempre no local, pois meu pai continuou com a mercearia e o armazém que nos deu o sustento até a sua aposentadoria e da minha mãe, e meus avós moraram por lá até meus 14 anos.

A saudosa Rua da Ponte me serviu de laboratório para meus escritos. Lá moravam, desde pessoas da classe média remediada, até o…

Indignada

Imagem
Olívia de Cássia

Já diz o dito popular que da vida a gente não leva nada, a não ser as boas ações que pratica, os amigos que a gente faz ao longo da vida e a humildade que a gente carrega.

Desde a quinta-feira, 15 de setembro, quando do anúncio do desaparecimento do ator Domingos Montaigner nas águas límpidas do São Francisco, que telespectadores assistem incrédulos o desenrolar dos fatos.

A morte trágica do ator, veio a ser confirmada quatro horas depois de ter mergulhado nas águas do rio, comovendo a quem aprendeu a admirá-lo e acompanha a história de Santo dos Anjos na novela.

Mas estranhamente o ser humano tem uma verve para a maldade e ao mesmo tempo que muitos lamentavam e prestavam homenagem ao ator e se solidarizavam com a família, pessoas infames e inescrupulosas deixavam recados torpes, imbecis e sem noção nas redes sociais.

O mundo está empobrecendo a cada dia; as pessoas estão ficando sem índole e sem sentimentos. Como avaliar um indivíduo que numa hora de comoção so…

Há esperança ainda

Por Olivia de Cássia Cerqueira

O sol voltou a brilhar
para nos dizer
que ainda há esperança.
Basta semear
a semente do bem
e querer o melhor para si
seus semelhantes.
Dividir o pão, sem egoísmo.
Ainda há tempo de sonhar
De acreditar e de querer amar
um sonho maior de se sonhar.
Há esperança ainda.

O que esperar?

Imagem
Por Olívia de Cássia

O que esperar de um governo que está tirando todos os direitos conquistados pelos trabalhadores e movimentos sociais, durante esses anos e por intermédio da Constituição de 1988?

O que dizer de quem foi às ruas, alguns da classe média baixa, que depende de seu emprego para sobreviver, para defender Eduardo Cunha, Temer e gritar Fora Dilma? Eles agora estão vendo o que foi que angariaram para si e seus assemelhados colegas de trabalho.

Ideologia e lado político, cada um tem o seu. É como futebol e religião: devemos respeitar; mas a de se convir que o país sofreu um golpe e que aqueles deputados e senadores que votaram pela saída da presidente Dilma, sem nada provado, estão mais sujos do que pau de galinheiro.

Uma prova disso é que dois dias depois da saída da presidente Dilma, eles já consideraram e aprovaram no Senado que pedalada fiscal não é crime. Cada um para se livrar de suas tramoias.

Não devemos silenciar diante de tudo isso: mulheres, negros, movimento…

Quando bate a incerteza...

Imagem
Por Olívia de Cássia

Sabe meu Diário, quando bate aquela tristeza e o momento de incerteza do que se vai por aí? É como me sinto neste momento que posso dizer que não é mágico e nem tão suave como eu queria que fosse.

Ando à flor da pele, sensível por demais; talvez seja culpa das novas descobertas e dessa nova vida que estou levando. Dentro de mim mora uma menina que queria mudar o mundo, se fazer um ser humano melhor, coisa que nem sempre a gente é compreendida.

O padre Fábio de Melo, que muito admiro, disse que devemos dar valor às palavras e pensamentos produtivos, construtivos, normalmente vindos de pessoas que nos amam verdadeiramente.

Mas não sei por qual motivo, quem a gente ama, seja lá quem for, família ou amigo, nos deixa mais entristecida do que deveria. Por esses dias, Diário, eu talvez não tenha sido compreendida nas minhas atitudes e deixei insatisfeitas algumas pessoas.

Tem momentos que tomamos iniciativas com objetivo de mostrar o nosso amor pelo próximo e o result…

Para refletir neste domingo

Imagem
Por Olívia de Cássia


Um domingo de alegria e muita paz para todos nós, apesar dos pesares. Mas não devemos transformar nossas expectativas em dramas, culpa ou angústia. Penso neste momento que nos dias de tristeza, a gente aprende a pensar em positividade. No meu caso tem sido assim.
Tenho pensado em lugares que só fui em pensamentos ou nas viagens das leituras que faço, nos bons momentos vividos, nos amigos que conquistei ao longo dessa minha passagem aqui na terra e na esperança de tempos melhores.

Se não for assim, a gente não suporta a carga que pesa em nossos ombros. Para algumas pessoas essa prática pode parecer doidice, alienação e uma fuga. Mas pensar positivo não é alienação e não quer dizer que a gente está alheio ao que se passa em nossa volta ou em nosso país.

Às vezes tenho ido de encontro a situações vexatórias que não quero aqui expor das nossas lideranças, mas me furto a fazer críticas a quem de direito, embora saiba que essas avaliações minhas talvez não seja…

Ontem sonhei

Olívia de Cássia Cerqueira Ontem sonhei com meu primeiro amor. que há muito já se foi para outro plano. O amor lindo, que quase foi para sempre. Mas não foi um sonho bom... Então perguntei para Deus, Qual o motivo de nem em sonhos pudemos Ficar juntos, para desfrutar A companhia um do outro. Acalentando os nossos sonhos, De paz, de amor, fazendo poesias, Ouvindo nossas músicas e nos amando até a eternidade. Ontem sonhei...

Quem somos e para onde vamos?

Imagem
Por Olívia de Cássia

Dizem que as lembranças da infância nos ajudam a descobrir quem de fato somos e são essenciais para desvendar nosso verdadeiro eu:  para cultivar relações mais saudáveis, de acordo com o psicólogo americano Kevin Leman, autor do livro O Que as Lembranças de Infância Revelam Sobre Você (Ed. Mundo Cristão).

Essas memórias, segundo o autor "permitem enxergar por trás de todas as fachadas e defesas, chegando ao fundo daquilo que a pessoa realmente é e não quem ela está tentando ser", avalia o autor, especialista em assuntos relacionados à educação e à família.

As crianças costumam ter sonhos com heróis, acreditar em contos de fadas e viver em fantasia, mas que eu me lembre, com minhas amigas da infância isso não acontecia e elas já tinham conhecimento logo cedo de como nascem as criancinhas e não acreditavam em Papai Noel, da mesma forma foi comigo.

Com essas amigas comecei a aprender, muito precocemente para a época, algumas situações do mundo adulto. Da m…

Peço a Deus misericórdia

Imagem
Por Olívia de Cássia

Peço a Deus todos os dias para me livrar de situações vexatórias, ou que me deixem acabrunhada e sem noção de meus atos. Da mesma forma que sou um pouco atrapalhada e já passei por muitos perrengues na vida, depois que tive certeza da Doença de Machado Joseph tomei outro rumo, outra direção.

A gente reaprende a agir de outra forma, de uma maneira mais suave, tentando ser sempre positiva e enfrentando com dignidade tudo o que vai aparecendo: as limitações, os impedimentos, com esperança e perseverando, sem hipocrisia e sendo realista.

Sempre fui muito festeira e venho pensando de uns dias para cá como irei para os shows das festas do Maceió Verão, em comemoração ao aniversário da capital alagoana, como venho fazendo nos últimos anos, com a juventude da Vieira Perdigão (O Beco), nossa rua querida.

Não venham querer me impedir de sonhar e de querer o melhor: eu só quero ser feliz, aproveitar o que ainda me resta, ter bons momentos, passear e ser feliz da maneira qu…

Em tempos de Jogos Olímpicos

Imagem
Por Olívia de Cássia

Em dias de Olimpíadas, em que a mídia procura de tudo para vender como notícia os atletas se tornarem heróis na telinha, a gente vai vivendo dias difíceis, com esse governo interino e golpista, que passou por cima de 54 milhões de votos dados à presidente Dilma, sem ter nenhuma prova confirmada de que ela tenha cometido irregularidade.

Enquanto isso, no Palácio do Planalto se instalou uma gangue de corruptos, comprometidos até a medula com a corrupção e com a operação Lava Jato. Mas as autoridades que estão cuidando do caso, só enxergam irregularidades nos políticos do Partido dos  Trabalhadores.

Não estou aqui querendo "tapar o sol com a peneira", mas que as punições fossem estendidas para todos os citados e investigados, que foram pegos com a  mão na massa da corrupção e das irregularidades.

As eleições de outubro estão às portas e certamente muitos desses citados vão participar de alguma forma: seja influenciando, financiando ou se candidatando també…

Eu não desisto

Imagem
Por Olívia de Cássia

Eu não desisto. Tento levar a vida com suavidade: esse é o meu lema de uns tempos para cá, pois com a ataxia, vivemos numa montanha russa: um dia e mais fácil outro mais difícil. Só que no meio deles tem sempre alguma perda.

Avalio que a vida é assim para a maioria das pessoas; não está fácil para a maioria e a gente não pode ter tudo o que quer. Agradeço a Deus todos os dias pelas amizades que fiz ao longo da vida e é esse detalhe mais que importante, que tem feito meus dias melhores.

Tenho tido dias de dores, incômodos, mas também de afeto e solidariedade. Nos últimos tempos tem sido assim: de encontros, palavras suaves, solidariedade e muito afeto. As ações que estão sendo feitas por todos no sentido de que eu tenha melhor qualidade de vida, são demostrações de muito acolhimento e carinho.

Atitudes de pessoas que eu nem conhecia pessoalmente, mas que têm feito a diferença em minha vida. Por incrível que pareça, passei a adotar comportamentos mais positivos, po…