Postagens

Mostrando postagens de Janeiro, 2016

A efemeridade de tudo

Olívia de Cássia – jornalista
Estive pensando e sempre me vêm esses pensamentos à mente, sobre a efemeridade das coisas, onde tudo é feito para ter pouca duração. Vivemos num mundo em que isso está presente em tudo: tanto para o bem quanto para o mal.
Essa é uma reflexão que faço sempre e que algumas pessoas  deveriam fazer, diante de um sistema onde tudo é feito para ser descartado, inclusive e até, infelizmente, os sentimentos. A vida útil de um produto para aumentar o consumo de versões mais recentes é feita para movimentar o capitalismo.
Mas não falo aqui apenas do sistema em que vivemos, politicamente falando. Nada é duradouro nessa vida, mesmo, mas tem gente que se apega a determinadas situações avaliando que vão ficar nelas para o resto da vida.
E se põem a agir como se fossem donos do mundo e da verdade, como se a verdade fosse única. Filosoficamente falando, passei grande parte da vida achando que a minha felicidade estava atrelada a outra pessoa; que eu só seria feliz se …

Crianças são vítimas de mortes brutais e precoces

Imagem
Olívia de Cássia - Repórter\Tribuna Independente

O que leva um ser humano: mãe, pai, pessoa da própria família ou amigo a tirar a vida de uma criança indefesa? Por que tem crescido assustadoramente casos de violência cometida contra crianças, no Estado e no país? Essa pergunta chega à reportagem como resultado do recente caso do assassinato de  Dyllan Taylor Soares, de três anos, assassinado pelo padrasto, Meydson Alysson Silva Leão.
Essa pergunta chega à reportagem como resultado do recente caso do assassinato de Dyllan Taylor Soares, de três anos, assassinado pelo padrasto, Meydson Alysson Silva Leão. (Foto: Reprodução web)
O caso do pequeno Dyllan Taylor não foi o único no Estado. Uma pesquisa rápida na internet indica que as crianças são vítimas constantes de pessoas insanas, na maioria das vezes da própria família ou de pessoas próximas a ela. Em junho de 2013, um caso que chamou à atenção da mídia e da sociedade alagoana foi o do menino Felipe Vicente da Silva, de dois anos, sequ…

Geraldo Cardoso se apresenta no carnaval de Pernambuco com projeto Forrofrevando

Imagem
Trabalho foi gravado no Fortim de Olinda, durante o carnaval de 2015, com arranjos do maestro Almir Medeiros
Por Olívia de Cássia
O forrozeiro de raiz Geraldo Cardoso está com um novo projeto na praça: o Forrofrevando, gravado ao vivo, no Fortim de Olinda, durante o carnaval 2015, com arranjos do conceituado maestro Almir Medeiros. São 22 marchas que foram gravadas ao vivo e melhoradas em estúdio.
Há sete anos participando do carnaval de Pernambuco e com uma carreira consolidada, Geraldo Cardoso é compositor de várias músicas que são sucesso no cancioneiro regional. Este ano ele participa do carnaval em várias cidades pernambucanas como: Olinda; Recife; Triunfo e com possibilidade de fazer show em Catende.
O CD Forrofrevando caiu no gosto do público e está tocando em várias rádios alagoanas e algumas de Pernambuco. O trabalho mistura vários elementos do forró, como xote, galope, arrasta-pé, se fundindo ao frevo, uma mistura que deu certo.
“O forró e o frevo são primos-irmãos; e com…

Dez anos depois

Imagem
Olívia de Cássia- Jornalista  Dez anos se passaram desde que eu escrevi meu primeiro depoimento sobre a Doença de Machado Joseph (Ataxia spinocerebellar) e o que é conviver com ela, que fez parte de um livro com opiniões e relatos das pessoas portadoras desse problema e os que convivem e têm pessoas na família acometidas da doença. No texto, discorremos sobre os impedimentos e limitações que passamos no dia-a-dia, desde dobrar um lençol, até apertar a tampa de uma garrafa, pois vamos perdendo a coordenação motora, a escrita vai ficando irreconhecível e a visão duplicada, em 3D; tombos, quedas, engasgos, incontinência urinária e dores nas pernas, nos ombros, entre outros sintomas.  Esse primeiro livro foi organizado por Priscila Fonseca, à época presidente da Associação Brasileira dos Portadores das Ataxias Hereditárias e Adquiridas, que já publicou outros tantos textos tratando sobre o mesmo assunto onde consta, entre tantos outros, o meu depoimento, agora com algumas alterações mais …

Procissão do mastro da festa da padroeira

Imagem
Olívia de Cássia – jornalista
Será neste domingo, 17, a procissão do mastro da festa da padroeira de União dos Palmares, Santa Maria Madalena. São 181 anos de festividades e fé do povo palmarino, que todo ano representa a sua fé acompanhando o cortejo.
A árvore esse ano foi tirada na Fazenda Laginha, onde ficava a antiga Usina Laginha, e como tradição será carregada por milhares de fiéis; mas  antes de falar da fé e da religiosidade do nosso povo, vai aqui uma sugestão: que para cada árvore cortada anualmente, outras dez sejam plantadas, para preservar o nosso meio ambiente.
A saída do cortejo será no final da Rua Juvenal Mendonça (antigo Castelo Branco),  com destino à Igreja Matriz de Santa Maria Madalena. A procissão percorre cerca de três quilômetros: são fiéis que fazem o percurso quase correndo: a pé, de moto, bicicleta; cavalo ou carro.
Um  detalhe que se mistura com a fé é um culto pagão e incomoda muita gente: alguns homens embriagados durante o trajeto, montados nos cava…

Mitos se vão. E outros... virão??

Imagem
Por Gabriela Rodrigues Jornalista
Você já ouviu a versão de “under pressure” apenas com os vocais de David Bowie e Freddie Mercury?! Experimente, o áudio está disponível no youtube. Recomendo aumentar o volume. E, de preferência, ouvir nos fones de ouvido. Para perceber detalhes da genialidade de Bowie e Freddie. E esta é apenas uma parte do que esses dois mitos tinham em comum.
O áudio é uma gravação do verão de 1981, no Mountain Studios, na cidade de Montreux, Suíça. E voltou à tona em redes sociais e site no dia 11 de janeiro, diante da notícia da morte do camaleão.
Um dueto como esse provoca alegria e melancolia. Alegria por não fazer parte de uma geração que “viu e viveu” inícios de mitos como Freddie ou Bowie, “no olho do furacão” da música e da cultura pop, mas por ter figuras emblemáticas como estas fazendo parte de minha trilha sonora e do meu dia a dia há anos, provando que são atemporais, únicos, como uma arte que se mantém viva, atual e atemporal. Basta ouvir Under Pressure al…

DUAS BARRAS PRIVATIZADA?

Lindair Amaral - Professora do Pronatec - Cursos Técnicos
Não Bastasse a concessão do uso de uma duna (literalmente), um pedaço cuja preservação deveria ser obrigatório pelos órgãos públicos responsáveis, se ergue um restaurante, cuja força me parece tão grande, que se sobrepôs ao nome do lugar que hoje é chamado de Dunas de Marapé.
Não obstante a tamanho desrespeito, por estar do outro lado do rio, temos, na maré alta, fazer uso para a travessia de um barco local, apesar da entrada oficial, que custa R$5,00 por pessoa (negociável, bem seja dito).
E a surpresa maior vem exatamente aí. O jantar R$60,00 (sessenta reais) por cabeça até pode ser entendido já que o preço é livre em estabelecimentos privados.
Mas, pensamos, vamos apenas sentar na cadeira de praia, comer uns petiscos e se deliciar com a paisagem. Fomos barrados antes mesmo de sentar pelo garçom que nos trouxe a seguinte informação: Para uso das cadeiras teríamos que pagar R$ 30,00 (trinta reais), achei justo já que me acostu…

Um novo recomeço

Imagem
Olívia de Cássia - jornalista Recomeçar sempre é a palavra de ordem, para que a gente se fortaleça, aprendendo com as adversidades e se fortalecendo com elas. O ano-novo mal começou e, de fato,  o brasileiro só começa a voltar à normalidade logo depois do carnaval, que esse ano, feliz ou infelizmente, acontece no começo de fevereiro. Depois das festas de fim de ano, o povo já começa a pensar no carnaval; mas para os palmarinos da minha terra, antes disso vem a festa da padroeira, Santa Maria Madalena que faz parte da vida de todos nós, evento que renova a nossa fé e preces nos fazendo voltar mais para a espiritualidade, no caso daqueles que a tem.  Na semana de festejos natalinos e de réveillon as discussões políticas nas redes sociais se aquietaram um pouco, mas não quer dizer que esse arrefecimento nos ânimos seja a ‘insustentável leveza da resignação’. A  gente sabe disso, pois o poder é tão fascinante para muitos que chega a anestesiar mentes e corações com a perspectiva dele e e…