Finalmente chove

Por Olívia de Cássia

Finalmente chove, para aplacar o calor infernal que está fazendo em Maceió. A rua está silenciosa. É noite de quinta-feira, mas poderia ser de qualquer dia. O tempo fechou, mas a quentura permanece. Agora tenho todo o tempo livre para pensar, me organizar e ler.

E ao contrário do que eu estava pensando, estou lendo menos depois da aposentadoria. Tenho um mundo novo para colocar em dia, mas me policio e me critico por isso. É preciso Organizar a casa, que está fora de ordem, sou uma péssima administradora do lar. Não nasci para essa função.

Tenho que providenciar algumas coisas, tomar conta dos meus bebês e depois de tudo em seus lugares, quero aproveitar o que me resta. Viver cada momento, descobrir mundos, viajar como eu sempre sonhei e não realizei.

Quero conviver mais na companhia dos amigos e perseguir dias mais suaves. Essas são as minhas metas, além de voltar com todo vapor às leituras, depois de tudo organizado.

Pipico, meu gato mestiço, sobe no apoio do notebook e pede carinho, reclama e faço um cafuné; Juca reclama atenção. Malu está pionga, doentinha, fez exame de; ultrassonografia hoje. A idade também chegou para minha deusa.

Hoje de manhã, foi para retirar os livros das estantes e colocar tudo em cima da cama, para que o rapaz recomece o serviço de limpeza e pintura. Dá muito trabalho, mas o contato com meus livros me faz bem; são meus companheiros de uma vida.

Estou naquela fase em que as mulheres sofrem com os calores da maturidade. Passo mal e desejo entrar numa banheira gelada. Ando um pouco com Malu e Juca, para que se acalmem. Parou de chover. Foi só um ensaio; está mais quente ainda.

Leio num site alternativo, que além de todas as maldades do governo maldito golpista, vão privatizar também Aquífero Guarani. “As negociações com os principais conglomerados transnacionais do setor, entre elas a Nestlé e a Coca-Cola, seguem “a passos largos”, informa o site.

Segundo o redator, representantes destas companhias têm realizado encontros reservados com autoridades do atual governo, no sentido de formular procedimentos necessários à exploração pelas empresas privadas de mananciais, principalmente no Aquífero Guarani, em contratos de concessão para mais de 100 anos. Chegamos ao fundo do poço, bem fundo mesmo.

Fico me perguntando o que será de nós, pobres mortais, diante de tantas injustiças e medidas destruidoras. Para hoje é o que tenho. Boa noite.


Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

Que vença o melhor

De repente você percebe

Até quando não sei